Edição anterior (1160):
sábado, 13 de janeiro de 2018
Ed. 1160:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1160): sábado, 13 de janeiro de 2018

Ed.1160:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Fernando Costa
COLUNISTA

 Cum Christo In Pace Confrade Ivo Albuquerque

Quem conhecia Ivo Albuquerque desde logo se sentia cativado pela criatura afável e cordial que ornava o homem e o intelectual de multifacetados matizes culturais. E nesse mesmo diapasão não se concebia a presença de Ivo sem Linda, sua mulher. Atuante e elegante transitava em todas as camadas prestando relevantes serviços às obras sociais e assistenciais. Fomos alvejados pela presença do querido casal por diversas vezes em nosso escritório o que incluiu uma estada conosco em Cabo Frio bem antes se se mudarem para Belo horizonte, Minas Gerais. Eram elegantes no trajar e no conviver. Figuras presentes em todos os acontecimentos sociais, culturais e religiosos da Imperial Cidade de Petrópolis durante o tempo em que aqui residiram. Mereceram o reconhecimento público e foram distinguidos com o Prêmio Academia Petropolitana de Letras.  Ivo em suas visitas ao escritório onde militamos gostava, sobretudo, de conversar conosco sobre os assuntos que versavam política e história. Há quinze dias telefonou para nossa casa como de costume. Agora me apercebo de que ele estava a se despedir. Conversou com Célio por longo tempo. Era mesmo o abraço de despedida do amigo aos amigos que subiu ao regaço paterno no sábado dia 9 de dezembro de 2017. Ele que nasceu no Rio de Janeiro, a 04 de dezembro de 1934. Possuía um rico, expressivo e dignificante curriculum vitae. Fez seus estudos secundários no Colégio Militar do Rio de Janeiro, ingressando, posteriormente na Academia Militar das Agulhas Negras, onde concluiu o Curso de Artilharia. Possuía ainda o Bacharelado em Ciências Contábeis e Administrativas, o Mestrado em Aplicações Militares, pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais e o Doutorado em Aplicações, Planejamentos e Estudos Militares, pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e vários cursos de Especialização e Extensão. Foi agraciado com as seguintes Condecorações: Ordem do Mérito Militar, no Grau de Cavaleiro, Medalha Militar do Prata, Medalha do Pacificador, Medalha da Organização das Nações Unidas (UNIPOM), Medalha Prêmio Internacional da Paz 1988, Medalha Marechal Hennes, Medalha do Sesquicentenário da Independência (Universidade Federal de Mato Grosso) e Medalha Marechal Mascarenhas de Moraes, as quais lhe conferem a condição de personalidade de alta expressão cultural, militar e cívica. Recebeu ainda 71 referências elogiosas durante sua permanência no Serviço Ativo do Exército e, como Oficial do Estado-Maior, teve ressaltados seu valor pessoal e zelo profissional através de expressivas citações dos então Comandantes da 10a Brigada de Infantaria Motorizada, das 6a e 7a Regiões Militares e do 1º Exército e um Voto de Louvor e Aplausos consignado pela Assembleia Legislativa do Estado por sua atuação como Gerente de Recursos Humanos da ECT na Diretoria Regional do Rio de Janeiro. Já na reserva, prestou relevantes serviços, não só como Gerente de Recursos Humanos da Diretoria Regional da ECT no Rio de Janeiro, mas também, quando por indicação do então Comandante da 63 Região Militar, coordenou, na Bahia, a implantação do projeto "Sala do Militar da Reserva", desenvolvendo, na oportunidade, um intenso programa de integração do pessoal da Reserva com a Instituição e a Comunidade, promovendo, na ocasião a criação do ''Grêmio Marechal Cantuária". Em Petrópolis, exerceu entre 1994 e 1998, o cargo de Diretor Cultural da Associação Pctropolitana dos Pacificadores, desenvolvendo atividades de planejamento, coordenação e execução de cerimônias cívicas, palestras e reuniões culturais, em estreita colaboração com o Comando do 32° Batalhão de Infantaria Motorizado e entidades civis do Município de Petrópolis. Além de suas qualidades como pesquisador e conferencista, ficou evidenciado seu senso prático, sua capacidade de realizador, de coordenador de esforços para a consecução de fins práticos, conforme muito bem nas numerosas funções militares e civis que exerceu. Especialista em temas militares, sua obra de análise e pesquisa foi realmente extraordinária e abrangente, englobando monografias e estudos, a que se somam dezenas de artigos publicados em jornais e revistas especializadas, sendo também múltipla e constante a sua atuação em Seminários e Simpósios, quer como participante, que como organizador. Conduziu com brilhantismo uma pesquisa documental  sobre a edificação do monumento militar brasileiro de Pistóia e organizou a solenidade comemorativa do centenário da Instituição dos Prêmios Nobe1, realizada na sede central do Clube Militar, constando de exposição documental e fotográfica sobre o tema ''Presença Brasileira na Conquista do Prêmio Nobel da Paz de 1988". Ivo era um intelectual com vasta produção literária. Homem de pesquisas históricas aureolado em grandes méritos. Exemplar soldado. Liberto dos grilhões terrenos foi conduzido pela Santíssima Mãe  à presença do Supremo Juiz e d’Ele recebeu a sentença absolutória:  a glória celeste. Cum Christo In Pace Tenente Coronel Ivo Albuquerque! 



Edição anterior (1160):
sábado, 13 de janeiro de 2018
Ed. 1160:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1160): sábado, 13 de janeiro de 2018

Ed.1160:

Compartilhe:

Voltar:

Veja também:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior