Edição: segunda-feira, 05/03/2018
Compartilhe:

  Chuvas


 120 homens da PMP atuam na limpeza, desobstrução e recuperação de ruas

Fotos Alan Alonso

 
 Rua Bernardo de Vasconcelos em Cascatinha, local onde o ônibus estava estacionado

 
 
 
 Os Carros e ônibus foram parar no Roseiral de Baixo  atrás da Fábrica Opção

Todas as equipes da prefeitura foram acionadas para restabelecer a normalidade em áreas atingidas pelas chuvas, após a Cabeça d’Água, que caiu na região do Caxambu, Morin, Corrêas e Itamarati. Desde ontem 120 pessoas atuam na limpeza, desobstrução de vias, controle do trânsito e vistorias em imóveis. O prefeito Bernardo Rossi segue acompanhando os trabalhos junto com as equipes. No Caxambu foram abertas duas frentes de trabalho: uma para limpeza e desobstrução das vias, visando a recuperação da normalidade do bairro, e outra para dimensionar o prejuízo causado pela chuva, para contratação de obras e serviços emergenciais por meio do Ministério da Integração Nacional. Todo o sistema de abastecimento de água está operando normalmente, exceto o que abastece a área conhecida como Caxambu Grande. A prefeitura e a Águas do Imperador trabalham para restabelecer o serviço. 

            “Nosso principal foco, neste momento, é garantir a segurança das famílias petropolitanas e restabelecer a normalidade das áreas que foram afetadas. Convoquei todas as equipes da prefeitura em prol desta situação. Estamos todos empenhados em recuperar as áreas mais atingidas, como o Caxambu, Cascatinha, Morin, Corrêas, Nogueira, Bairro Esperança e Rua Casemiro de Abreu. As equipes estão mobilizadas para dar uma resposta rápida às famílias”, destaca o prefeito, Bernardo Rossi, que desde sábado trabalha com as equipes da Defesa Civil nas áreas atingidas.

            Neste momento, a força tarefa da prefeitura atua no Caxambu com um retroescavadeira e um caminhão; no Provisória com uma pá carregadeira e dois caminhões; na Rua Bernardo de Vasconcelos com uma retroescavadeira e dois caminhões; Pedro Elmer com uma retroescavadeira e dois caminhões; Bela Vista tem uma retroescavadeira, um caminhão rompedor e três caminhões toco; União e Indústria – Prado: uma retroescavadeira, dois trucks; União e Indústria, via principal, uma retroescavadeira e um truck; na Praça de Corrêas há uma pá escavadeira e um caminhão; na Praça de Nogueira, uma pá carregadeira e  dois caminhões. Equipes distintas estão realizando lavagem das ruas em diversos pontos utilizando três caminhões pipas e dois caminhões sugadores.

A atuação da força de trabalho destaca pelo prefeito desde ontem já desobstruiu as ruas Augusto Severo, Nelson Carlos Roncoroni e Eugênio Muniz Constâncio, no Morin.

Linhas de ônibus restabelecidas

            O trabalho para a desobstrução e conserto das ruas possibilitou que algumas linhas de ônibus voltassem a funcionar. As linhas de acesso à Corrêas e Itaipava estão rodando normalmente. Foram restabelecidas as linhas 700 (Terminal Itaipava), 600 (Terminal Corrêas) e 300 (Terminal Corrêas via Itamarati). A linha 330 (Terminal Corrêas via Pedro Elmer) está operando pelo itinerário da linha 300. A linha 321 (Alto Alcobacinha) também voltou a operar.

            As linhas 303 (Bairro Esperança) e 323 (Ponde de Ferro via Bairro Esperanço) operam parcialmente – a primeira desce o Quissamã e vai até a Ponte de Ferro e a segunda, passa pela Rua Bonjean até a igreja. Equipes já foram mobilizadas para liberar a passagem nessas áreas. A linha 470 (Santa Isabel) está parando na altura do campo do Luzitano.

            Segundo a Cidade das Hortênsias, as linhas que não estão operando por enquanto são a 303 (Bela Vista), 317 (Gregório Cruzick) e 325 (Alto Bela Vista).

Defesa Civil registrou 30 ocorrências

            A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias registrou 30 ocorrências desde à tarde de sábado: foram 22 deslizamentos de terra, três problemas em via, três alagamentos, um tombamento de poste e uma avaliação de risco estrutural. No momento, os 55 agentes da Defesa Civil permanecem atendendo os chamados. As regiões com maior índice acumulado de chuva é o Morin e Cascatinha, com 80 milímetros, seguido do Gentio, onde foram registrados 75,6mm, e o Vila Felipe, com 62mm. Em Corrêas, foram registrados 42mm.

            Em Petrópolis, o mês de fevereiro apresentou índice de chuva 138% maior do que no mesmo período do ano passado. A previsão é de que as chuvas fortes continuem na cidade até meados de abril. Neste momento a Defesa Civil permanece em estágio de atenção e não há registro chuvas na cidade, embora novas pancadas estejam previstas ainda para este domingo (04.03).

            “Com a previsão de novas pancadas de chuvas é fundamental que a população que vive em área de risco tenha a atenção redobrada e, em caso de qualquer sinal de instabilidade do imóvel ou do terreno, o morador deve ligar para o 199 e pedir uma vistoria preventiva à Defesa Civil. Todo o nosso efetivo foi disponibilizado para atender às famílias”, explica o secretário de Defesa Civil, coronel Paulo Renato Vaz, lembrando que a ligação e o serviço são gratuitos.

            Com o atendimento das ocorrências em andamento, equipes da Secretaria de Assistência Social estão, também, nas áreas atingidas para atendimento e acolhimento das famílias.

Cabeça d’Água

            A Cabeça dÁgua é um fenômeno que ocorre quando a chuva cai em determinado lugar, principalmente em serras, aumentando o nível de água dos rios e provocando enchentes. O acumulo de água faz com que ela desça pelo rio com muita intensidade.  Esse tipo de fenômeno acontece quando há forte calor e alta umidade do ar.



Fotos - Alcir Aglio
   



Compartilhe:


Casando com Estilo



Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior