Edição anterior (1186):
quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018
Ed. 1186:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1186): quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018

Ed.1186:

Compartilhe:

Voltar:


  Política

Alimentação no Hospital Nelson de Sá Earp é debatida na Câmara

Segundo vereador Justino do Raio-x, empresas GM Alimentos e HB Multiserviços foram notificadas

Yuri Lima - especial para o Diário

A alimentação dos funcionários e pacientes do Hospital Municipal Dr. Nelson de Sá Earp (HMNSE) foi tema de debate nas últimas duas plenárias na Câmara. Na sessão da última terça-feira (6), a vereadora Gilda Beatriz (PMDB) levou à tribuna a denúncia que os funcionários não estariam recebendo os almoços e jantares corretamente. A discussão reiniciou na tarde de ontem (7), quando o vereador Justino do Raio-X (PMDB) retomou o tema.  Para o peemedebista, a situação está controlada e informou que a Prefeitura aguarda questões jurídicas relacionadas às empresas fornecedoras de carnes.

Segundo denúncias recebidas pela vereadora Gilda, a alimentação dos funcionários do HMNSE por dias não tem carnes. Na tribuna, a parlamentar levou fotos de uma refeição que estaria sendo servida. Algo que suscitou debate em toda a sessão da terça-feira.

No dia seguinte, Justino do Raio-X, trazendo fotos que fez enquanto almoçava com os funcionários do hospital, argumentou que a alimentação servida era de qualidade e a reclamação seria pela falta de variedade, causada por culpa de questões judiciais relacionadas aos fornecedores.

- Com relação às empresas, elas estão sendo notificadas e isso é uma questão jurídica. A última notificação foi em fevereiro. Além disto, o hospital conta com nutricionistas, mas se as empresas não entregam como vamos ter uma alimentação balanceada? Se as empresas não entregam frango, carne, peixe - afirmou o vereador Justino em sessão plenária.

Para Gilda, o problema poderia ser evitado com o cancelamento da licitação com as atuais empresas e a criação de uma licitação emergencial, algo que não ocorreu.

- Se você tem um contrato com o fornecedor e lá está escrito que ele tem que fornecer frango e carne e não está acontecendo isto, a Prefeitura tem que rescindir o contrato e fazer um novo, emergencial. Os pacientes e os fornecedores não podem continuar a receber uma refeição sem nenhum balanceamento nutricional - defendeu Gilda em sua fala na tribuna.

O vereador Justino ainda informou que as empresas que fornecem alimentos são GM Alimentos Ltda. e a HB Multiserviços Ltda.

             



Edição anterior (1186):
quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018
Ed. 1186:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1186): quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018

Ed.1186:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior