Edição anterior (1368):
quinta-feira, 09 de agosto de 2018
Ed. 1368:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1368): quinta-feira, 09 de agosto de 2018

Ed.1368:

Compartilhe:

Voltar:


  Geral

Brasil tem mais de 7,2 milhões de sites desprotegidos

 

Estudo da BigData Corp encomendado pela Serasa Experian detecta que mais de 40% dos sites brasileiros não contam com certificado de segurança, que criptografa as informações transacionadas e impede o roubo dos dados na internet

São Paulo, 8 de agosto de 2018 – Mapeamento da internet brasileira feito pela BigData Corp a pedido da Serasa Experian em junho deste ano aponta que 40,10% dos sites do país não estão seguros, o que representa um total de 7,2 milhões de endereços. Estes sites não possuem o certificado de segurança (SSL – Secure Socket Layer), que promove uma conexão segura utilizando a criptografia entre o servidor e os dados trafegados, o que evita o roubo de dados durante a transação.

O estudo também mostra que no mesmo período de 2016 o percentual de sites sem a proteção era ainda maior: 62,42%. Ainda que o país tenha assistido um rápido avanço na adoção do SSL no período, o volume de sites sem os certificados de segurança ainda é considerado alto. Outro aspecto que chama a atenção no estudo é o fato de que, mesmo entre os que possuem os sites que possuem certificados de segurança, perto de um quarto (24.97% ou 2,73 milhões) estão expirados e precisam ser renovados. E outros 3,7 milhões, ou 34,07% dos que possuem o certificado, terão suas licenças expiradas em até três meses.

 
 

É bom lembrarmos que no restante do mundo, no entanto, em média, apenas 8,57% dos sites não possuem essa proteção. E a questão ganha uma relevância ainda maior no momento em que sites sem certificados de SSL são expostos pelo Google com avisos de “não seguros” e deixam de aparecer nos primeiros lugares nas buscas feitas pelo Google”, comenta Thoran Rodrigues, CEO e fundador da BigData Corp. Ou seja, segundo Rodrigues, empresas que mantêm sites sem a camada de SSL poderão ser prejudicadas pois terão seus sites nas últimas páginas de resultados nos sites de busca.

Maurício Balassiano, diretor de certificação digital da Serasa Experian, alerta que os consumidores devem ficar atentos para que seus dados, sejam bancários ou pessoais, não fiquem à mercê de possíveis golpistas. “Para isso, basta verificar se há cadeado na barra de endereço, ou se há um “s” após o http (https), indicando segurança, além da identificação de “seguro” e “não seguro” dada por alguns navegadores”, ensina.

Os dois executivos apontam que o certificado expirado é algo ainda mais crítico para as empresas. Quando certificado está expirado e um usuário tenta acessar o site, seja por meio de uma busca ou quando o usuário digita direto o endereço, o navegador mostra uma página vermelha de erro, com um aviso informando que aquele endereço não é seguro, assustando o internauta. Dessa forma, ter o certificado expirado é, na verdade, pior do que não ter o certificado.

Um a cada cinco e-commerces não está seguro

Tendo em vista os vários tipos de sites, blogs são a categoria na qual os certificados SSL têm a maior penetração – 80,89% deles possuem essa proteção. “Isso se deve quase inteiramente ao fato de que boa parte deles está hospedada em grandes plataformas, que instalam o certificado automaticamente para eles”, explica o CEO da BigData Corp. Naturalmente, e-commerces (78,77%) e sites corporativos (73,47%) vêm em seguida.

Mesmo que os e-commerces tenham um alto percentual de proteção em relação aos demais tipos de site, é importante ter-se em conta que, por se tratarem de sites que transacionam dados bancários, o percentual de 21,23% de sites inseguros é alto. Isso significa que aproximadamente um em cada cinco sites de comércio eletrônico não possui o certificado de segurança que criptografa os dados transacionados.

 

Um dado do estudo que surpreende é o fato de que mais de um terço (37,36%) dos grandes sites com mais de meio milhão de visitas mensais não possuam certificados SSL. O índice é semelhante (37,51%) entre os sites médios – com mais de 10 mil e meio milhão de visitas mensais. Entre os pequenos – que recebem menos de 10 mil visitas mensais, o SSL está presente apenas em 41,98% deles.

Do ponto de vista da idade das empresas que mantêm sites com SSL, as mais antigas, com 20 anos ou mais, são a maioria – respondendo por uma participação 36,75%. Em segundo lugar, com 20,42% estão os sites entre 5 e 10 anos, e os de 10 a 15 anos (18,37%).

São Paulo lidera a participação dos sites que possuem SSL (33,77%), seguido por Minas Gerais (9%), Rio de Janeiro (8,8%) e Rio Grande do Sul (8,03%).

 

Ambientes inseguros

Uma prática muito utilizada pelos golpistas no ambiente online inseguro é a de phishing, na qual os criminosos copiam as informações trocadas durante uma transação. Dados pessoais roubados, como nome, endereço, CPF etc., podem ser coletados para fraude de identidade, que acontece quando dados pessoais de um consumidor são usados por terceiros para firmar negócios sob falsidade ideológica ou obter crédito sem a intenção de honrar os pagamentos.

Para verificar se o site possui o certificado SSL e, portanto, os dados trafegados estão sendo criptografados, sem risco de roubo, basta checar se há um cadeado na barra de status, ou se há um “s” após o http (https), indicando segurança. Em alguns casos, a barra de endereço do navegador fica verde. Atualmente alguns navegadores incluem para todos os sites a indicação de “Seguro” e “Não Seguro” também na barra de endereço. Normalmente também há um selo de segurança, atribuído pelo fornecedor do certificado, que pode ser encontrado no próprio site.

Metodologia do estudo

A BigData Corp. captura e processa, continuamente, dados obtidos a partir de mais de 21 milhões de sites brasileiros (e mais de 700 milhões no mundo todo). Para esta pesquisa, a empresa trabalhou com resultados obtidos em junho de 2018. 
Sobre a BigData Corp

A BigData Corp. opera um dos maiores processos de coleta e estruturação de dados do mundo. Captura todas as semanas informações de mais de 700 milhões de sites globalmente, incluindo os cerca de 21 milhões disponíveis hoje no Brasil, para atender negócios e instituições de todos os portes e segmentos. Os dados tratados pela empresa podem ter origem nas redes sociais, em sites de notícias ou em quaisquer outros endereços abertos na web, além de outras fontes de parceiros. Líder no mercado de big data no Brasil e na América Latina, a BigData Corp. capta e trata a informação por meio de três produtos. O primeiro deles é o BigWeb, que ajuda a estudar o mercado e permite gerar leads, isto é, identifica oportunidades de negócios a partir das informações obtidas na web. Já o BigBoost reúne todas as informações disponíveis na Internet em uma única API, ou seja, em uma única interface de aplicativos. O BigMarket é uma coleção de informações obtidas nos principais marketplaces e e-commerces – como preços, imagens e cadastro de produtos – para monitorar a concorrência, identificar movimentos do mercado, complementar cadastros e alimentar bases de dados. Por fim, o BigID lança mão da riqueza dos dados coletados na Internet para validar automaticamente a identidade de uma pessoa ou empresa.

A BigData Corp é uma empresa brasileira e foi fundada em 2013. Possui escritório no Rio de Janeiro, onde está localizada a sua sede, em uma filial em São Paulo.

Sabia mais em www.bigdatacorp.com.br



Edição anterior (1368):
quinta-feira, 09 de agosto de 2018
Ed. 1368:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1368): quinta-feira, 09 de agosto de 2018

Ed.1368:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior