Edição anterior (1185):
quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018
Ed. 1185:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1185): quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018

Ed.1185:

Compartilhe:

Voltar:


  Economia

Dificuldade para estacionar causa impacto no comércio

Daniela Curioni - especial para o Diário - Foto - Alcir Aglio

Estacionar no Centro Histórico de Petrópolis tem sido uma tarefa cada vez mais difícil. São muitos carros para poucas vagas e, com isso, moradores e turistas acabam optando por estacionamentos particulares.  Sair de casa e não ter onde estacionar o carro é um problema que incomoda boa parte dos consumidores, ao ponto de fazê-los até mesmo a desistir de uma compra.

 

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), revelou que mais da metade das pessoas (52%) que possuem veículos já deixou de comprar algo por não conseguir estacionar o carro próximo ao comércio.

A condição de trânsito nas proximidades dos centros comerciais, assim como a presença de estacionamentos, são fatores que favorecem o aumento de pessoas e podem aumentar o faturamento das lojas.

O valor cobrado para estacionar no Centro de Petrópolis está cada dia mais alto. Com a escassez de vagas regulamentadas, a única opção são os estacionamentos privados. Para deixar um veículo de passeio por uma hora, o valor médio cobrado é de R$6,00. Mesmo com o preço salgado e levando em conta também o valor gasto com a gasolina que encarece mais ainda a saída, o corretor Ronaldo afirma que sempre deixa o veículo no estacionamento privativo.

- Já desisti de fazer compras por causa da dificuldade de estacionar. Aqui na cidade é quase impossível encontrar uma vaga no rotativo. A única opção para os motoristas são os estacionamentos particulares e mais caros, lamenta o corretor.

Segundo o levantamento, sete em cada dez (69%) pessoas motorizadas disseram que dão preferência a centros comerciais que oferecem estacionamento próprio.

Para 78% dos entrevistados, as lojas devem se preocupar  com a inclusão de consumidores que possuem algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida. Para 73% dos entrevistados, sentir-se protegido é prerrogativa básica. A presença de moradores de rua e flanelinhas também influenciam de forma negativa na decisão de não frequentar determinado lugar.

Estacionar no Centro de Petrópolis, se tornou um desafio. No geral, os comerciantes consideram que o número de carros aumentou e a falta de vagas para estacionar se tornou um problema urgente.

De acordo com Evelyn, gerente de uma loja de acessórios no Centro, os clientes reclamam constantemente da dificuldade para estacionar.

- A falta de vagas no rotativo faz com que muitas clientes desistam de fazer compras aqui na loja - disse a gerente.

A artesã Claudia admite que evita fazer compras em locais que tenha que pagar estacionamento particular.

- Além do preço que para muitos é caro, outro problema é o horário de fechamento dos locais. Alguns fecham às 18h, mesmo horário de fechamento das lojas. Por isso, prefiro o rotativo, mas é muito difícil achar uma vaga.

Além de identificar o impacto da mobilidade urbana nas decisões de compra dos brasileiros, o estudo investigou a opinião dos consumidores sobre a qualidade do transporte público. Segundo o levantamento, em cada dez brasileiros oito estão insatisfeitos com o trânsito e com a qualidade do transporte público em sua cidade.

De modo geral, considerando também as pessoas que não possuem carro, 47% dos entrevistados afirmam que levam em consideração o preço das passagens de ônibus para decidir o local de compras e 46% concordam que o aumento das tarifas do transporte público reduz o consumo das pessoas.

 

  



Edição anterior (1185):
quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018
Ed. 1185:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1185): quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018

Ed.1185:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior