Edição anterior (1426):
sábado, 06 de outubro de 2018
Ed. 1426:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1426): sábado, 06 de outubro de 2018

Ed.1426:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Fernando Costa
COLUNISTA

 

 

Eleições, um fio de esperança.

Desde cedo aprendemos que o homem é um ser político, vive em sociedade.  Se visto de um ângulo humanitário, contemplativo, romântico ou quem sabe, buscando uma forma telúrica aos olhos e percuciência de alguns e pueril aos de outros tantos, diria que este imenso universo que Deus nos deu é um condomínio, quer dizer, de domínio comum a todos onde somos meros usufrutuários? Pela ótica da realidade os prazos de terras, os imóveis, automóveis e semoventes têm seus donos e estão demarcados com selos e marcos previstos em lei e, acresce que, os princípios gerais preconizam que quando a Lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito. Certo ainda que caiba a todos o zelo e proteção ao planeta quer no que concerne à ecologia, equilíbrio ambiental, social e econômico. Para esse mister, a Nação se estrutura elegendo o Supremo Mandatário do País, assim como os Senadores, Deputados Federais, Estaduais e Vereadores. Felizmente vivemos o Estado Democrático do Direito, o povo tem sob sua responsabilidade o poder da escolha de seu representante, não tendo como objetivo interesses pessoais, mas institucionais, há que prevalecer o interesse da Nação como um todo e não as mesquinharias comuns, os conchavos, as armações, a compra de votos, os apadrinhamentos e etc. Desde criança ouço falar em voto de cabresto, troca de favores mediante um quilo disso ou daquilo, um par de tamancos ou um naco de pão. E o sofrido povo acaba iludindo-se com promessas vãs e tapinhas nas costas e mais uma vez o legislativo Estadual, Federal, Municipal, Senado e o Palácio do Planalto acabam por transformarem-se em palcos de expiações. Longe de pensar que tanto no passado, quanto na atualidade o Brasil não contou com ilustres e honrados brasileiros. Cidadãos dignos estão a concorrer aos diversos cargos, nomes de elevada envergadura e competência e, a bem da verdade junto a esses mesmos brasileiros, encontram-se infiltrados em seu meio, inúmeras outras fichas sujas facilmente reconhecidas da população. Cabe ao povo maior discernimento na hora de eleger seu candidato, para o bem e pelo bem do País, com os olhos voltados ao coletivo, ao geral, não ao particular. Se cada brasileiro se conscientizasse  da importância de seu voto, que através dele serão outorgados poderes a seu representante , na condição de Procurador, para agir em seu nome, propugnar em seu nome, contestar em seu nome e lutar em favor desta abençoada terra, com certeza pensaria melhor antes de sufragar seu voto. Pena que a grande maioria contenta-se com um sanduíche de mortadela, um par de chinelos, uma cesta básica ou um a quantia em dinheiro em toca de seu precioso voto. Depois, ah depois  alguns desses políticos  não querem ver nem de longe os mesmos brasileiros que os conduziram ao podium. Por sorte, ainda podemos contar com políticos sérios e cumpridores de seus deveres para com a Cidade, o Estado e a Nação. O bom mesmo é que em meio a essa enxurrada de propaganda política que infesta os quatro cantos do País, estamos a abrir nossos braços para recebermos a primavera que é uma das  quatro estações do ano, que desponta  após o inverno e antes do verão. Aqui no Brasil, hemisfério sul, a primavera, estação das flores, como é carinhosamente conhecida, tem início em 23 de setembro e término no dia 21 de dezembro.  Nesse  período ,  ocorre o florescimento de várias espécies de plantas.  A natureza fica ainda mais bela. Exala perfume... Os pássaros e borboletas em sinfonia agradecem aos Céus por tão belo presente. E a sábia natureza continua a nos ensinar, primeiro oferecendo flores, os frutos e logo após, as sementes. É neste período que ocorrem as mudanças climáticas, a temperatura vai, gradativamente aumentando e a astronomia revela que na primavera o dia e  a  noite têm  cada qual a duração de doze horas. As águas dos rios , lagos e oceanos tornam-se amenas e nos jardins, prados e campinas podemos contemplar rosas, hibiscos,  girassóis, margaridas, hortênsias, crisântemos, orquídeas, gérberas, damas da noite , violetas e tantas mais...Que venham as eleições abençoadas por  Deus e por Maria Santíssima a Mãe da Divina Graça em meio à primavera que acaba de chegar repleta de fé e esperança em dias melhores.

 



Edição anterior (1426):
sábado, 06 de outubro de 2018
Ed. 1426:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1426): sábado, 06 de outubro de 2018

Ed.1426:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior