Edição anterior (1188):
sábado, 10 de fevereiro de 2018
Ed. 1188:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1188): sábado, 10 de fevereiro de 2018

Ed.1188:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Fernando Costa
COLUNISTA

E no entanto é preciso cantar...

 Já estamos vivendo o clima de carnaval, festa popular que no Brasil assume proporções gigantescas somente comparadas ao futebol, outra paixão nacional. Que rufem os tambores, agogôs e os tamborins! O carnaval nasceu no Egito, tomou conta da Grécia e espalhou-se por Roma, mas desembarcou no Brasil no século XVII, trazido pelos portugueses. Esta simbiose da tradição europeia com o ritmo e cadência musical africanos criou na Terra de Santa Cruz se não o maior, um dos maiores espetáculos populares do mundo. Já o futebol ganhou força no Brasil lá pelos idos de 1895 através dos ingleses e transformou-se numa espécie de símbolo pátrio. Ambas as manifestações populares, dão leve mostra do talento, criatividade e sensibilidade de nosso povo. O Brasil é rico em folclore, isto é, “folk”, que significa povo, união, família e “lore” o conhecimento, a sabedoria popular. Verdade é que o ano inicia-se para todos os efeitos a partir da quarta-feira de cinzas. Eu também não fujo à regra. Meu coração artista viaja pelo imaginário popular nas pesquisas e figurinos, com único objetivo de ver nosso povo feliz, ainda que por tão poucos dias. Era uma alegria presenciar Petronilha que, às vésperas de completar noventa e uma primaveras, junto à irmã Lourdes, debruçavam-se nos imensos vestidos, bordando-os, costurando-os e descendo pela Rua Teresa ambas  radiantes e iluminadas. As Agremiações petropolitanas se esforçam para abrilhantar as passarelas da Avenida Imperador, no entanto, ao que percebi não haverá os desfiles oficiais. Nessa ocasião muitos viajarão ou permanecerão em seus lares e outros tantos vaguearão pelas ruas em busca de um pouco de alegria e bálsamo a suas dores do dia a dia. Resta-nos, silenciarmos e nos recolhermos. Assistirei, como de costume, pela TV. Relembrarei os bons tempos em que nossa família ia toda para Avenida, juntos a Eckner, Myriam e filhos, Celinho Thomaz, Circe Nigro, Marly Machado, Miguel/Preto Rico, Mimi, Oscar, Suzana, Veruska, Nena, Sônia, Sônia Blanc, Fátima Cruz e elenco, Arlindo, Waldyr Mariano, Eky, Paulinho, filhos de Juízes, Desembargadores, Promotores de Justiça e outros segmentos da sociedade sem distinção de classe social e  realizávamos exibições nas passarelas onde  o  esplendor predominava. Quem não se lembra das Grandes Sociedades, exemplo, “Rancho do Amor”, Harmonia Brasileira, Clubes Bogari e Cascatinha? Não existem mais bailes à exceção do Petropolitano Futebol Clube na pessoa do Presidente  Arnaldo Rippel Barbosa e Diretoria conseguiram fazer ressurgir os tradicionais bailes do Preto e Branco, do Havaí  e o de Máscaras. A centenária e querida  agremiação, que enriquece a Imperial Cidade retomou suas atividades devidamente remodelada constituindo-se o centro dos conclaves, de eventos e de reunião da sociedade petropolitana.  É verdade que atualmente, os arlequins, pierrots e colombinas já não passeiam nos salões, os confetes e serpentinas desbotaram-se, as fantasias já não têm o mesmo colorido, mas o que fazer? Ainda assim nosso sofrido povo merece a alegria, uma catarse a amenizar as agruras e os calos das mãos. E qual um passe de mágica o povo disfarça sua dor porque é carnaval! Que se emendem os retalhos de cetim e sequem-se as lágrimas, porque é preciso cantar “e, no entanto, é preciso cantar, é preciso cantar para alegrar a Cidade”. 



Edição anterior (1188):
sábado, 10 de fevereiro de 2018
Ed. 1188:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1188): sábado, 10 de fevereiro de 2018

Ed.1188:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior