Edição anterior (1429):
terça-feira, 09 de outubro de 2018
Ed. 1429:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1429): terça-feira, 09 de outubro de 2018

Ed.1429:

Compartilhe:

Voltar:


  Polícia

Filha que matou a mãe com a ajuda do namorado deve se entregar amanhã

Casal confessou o crime e saiu pela porta da frente da delegacia, por conta da legislação eleitoral


 DIRCILENE GARCIA foi morta pela própria filha, de 21 anos,

que teve a ajuda do namorado para cometer o assassinato

 

“Utilizando formol, a filha e o genro conseguem desmaiar a mulher no corredor da casa, arrastam o corpo para o quarto e o colocam sobre a cama. Em seguida, aplicam seringa de ar para gerar embolia pulmonar, além de colocar um saco plástico na cabeça da vítima, tentando provocar a morte por asfixia”. Desta forma, o especialista criminal Carlos Andrade descreveu a ação que matou brutalmente a comerciante Dircilene Botelho Garcia, de 51 anos, na noite de terça-feira (2), no Bingen.

O crime premeditado não deixaria nenhuma suspeita. A mulher foi sepultada no Cemitério Municipal, e o laudo apontava a morte por embolia pulmonar. Entretanto, dias antes, o casal havia instalado uma câmera escondida no quarto, para identificar o autor dos constantes furtos de dinheiro em um guarda-roupas. Sem saber do equipamento, a dupla concluiu o crime, tendo toda a ação filmada. Paloma Vasconcelos, de 21 anos, confessou o homicídio na 105ª DP, no Retiro, e deve se entregar na noite desta quarta-feira (10).

- No dia da morte, a porta do quarto estava trancada e a menina chegou a contar que havia brigado com a mãe. O Samu foi chamado, mas a mulher já não apresentava sinais vitais. O enterro aconteceu no mesmo dia. O esposo ficou desconfiado com a causa da morte, pois a mulher não tinha aparência de uma pessoa vítima de embolia. Ao voltar do enterro, ele solicitou acesso às imagens da câmera, descobrindo a verdadeira causa da morte. A polícia foi acionada imediatamente – contou a advogada de acusação, Vivian Andrade.

O imóvel era frequentado diariamente apenas pelo casal, a jovem de 21 anos e uma diarista. A família, de classe média, vivia junto há pelo menos 15 anos. Com boxes na Feirinha de Itaipava e vida financeira estabilizada, eles realizavam diferentes viagens ao exterior. Para a advogada de acusação, a motivação do crime seria referente a questões patrimoniais.

- Tentaram forjar uma morte natural. A filha da vítima não possui irmãos, sendo a única herdeira. Sem sombra de dúvida, a ação foi por questões financeiras. A relação entre elas era normal, tendo desentendimentos comuns como em qualquer tipo de relação. A mãe cobrava da menina a postura com relação aos estudos e ao trabalho. Além disso, não aprovava o relacionamento que ela tinha com o namorado, que foi proibido de entrar na casa – explicou.

Carlos Andrade lembrou da semelhança do crime ao caso Richthofen, que chocou o país em 2002.

- A única diferença é que no crime envolvido a Suzane Von Richthofen, foi simulado um roubo. Nesse, tentaram de forma “fria” naturalizar o máximo possível a morte. Eles tiraram as roupas para verificar se havia cheiro de formol, utilizaram luvas cirúrgicas e até estetoscópio, para conferir se a vítima ainda estava viva ou não. As imagens da câmera são chocantes. O bom de tudo é que o caso já está solucionado. Assumiram tudo e a filmagem comprova – disse.

Suspeitos confessam o crime

A morte e o sepultamento aconteceram na terça-feira (2). Três dias depois, foi realizada a exumação do cadáver, transferido posteriormente para o Instituto Médico Legal (IML). No sábado (6), o corpo foi sepultado novamente e os suspeitos foram à delegacia, acompanhados de um advogado, para prestar depoimento. No local, a dupla confessou o crime e detalhou toda a ação. Entretanto, minutos depois, saíram pela porta da frente da delegacia, não sendo realizada a prisão. Um mandado de segurança foi expedido contra os criminosos, mas não pôde ser cumprido devido à legislação eleitoral, que prevê a prisão de qualquer cidadão apenas em caso de flagrante no período de cinco dias antes e dois dias após a votação.

- Está prevista a apresentação dos assassinos amanhã (10). Caso não compareçam à delegacia, estarão na condição de foragidos. A pena mínima começa com 12 anos, pelo crime de homicídio. Porém, nesse caso existem situações qualificadoras, onde a pena pode ultrapassar 20 anos facilmente. Além de todas as provas, eles são réus confessos. Ou seja, o fato foi um crime quase perfeito – concluiu a advogada.

 Advogado de defesa se manifesta

Antônio Claudio de Vasconcelos, advogado de defesa e pai da jovem, esteve no Diário de Petrópolis, acompanhado da filha. De acordo com ele, o episódio trata-se de um crime bárbaro, que terá como resultado o cumprimento da lei.

- Vim de São Paulo para entregar a minha filha para uma autoridade policial. É algo dolorido, porém, necessário. Ela chegou a querer tomar veneno, para resolver a situação. Conversamos, e ela estará se apresentando na noite de quarta-feira, entre 19h30 e 20h na delegacia – disse.

Questionado sobre a forma em que aconteceu o crime, o advogado se limitou a dizer: “foi exatamente o que passou na novela”. Uma personagem da novela Segundo Sol, da TV Globo, matou duas pessoas, utilizando o procedimento com uma seringa.

Ainda segundo o advogado, a jovem sofre com problemas psicológicos e depressão profunda, provenientes de um aborto que teria sido forçado pela mãe. Desde então, vinha sofrendo diversas humilhações.

- Ela realiza tratamentos com acompanhamento psicológico, por ter passado por alguns momentos complicados, principalmente, após o aborto. Ela disse que está arrependida e agora vamos aguardar o que será feito daqui pra frente – concluiu o advogado.

Assassina diz estar arrependida

Acompanhada do advogado, Paloma assumiu a autoria do crime e contou situações vivenciadas há tempos.

- Minha mãe me maltratava, batia, escondia comida de mim e ficava debochando da minha obesidade. Além disso, me obrigou a abortar uma criança que tanto queria. Com esse aborto, tive complicações de saúde, perdi muito sangue, fiquei internada por dias, criando cada vez mais um sentimento de ódio por ela. Ela dizia que se não abortasse, eu não poderia continuar com o meu namorado. Ela pagou R$ 2,5 mil para que a criança fosse retirada em Cabo Frio – disse a jovem.

Defesa do namorado

O Diário tentou entrar em contato com o advogado de defesa do outro jovem, de 26 anos, suspeito por envolvimento no crime. Porém, até o fechamento desta matéria, não obtivemos acesso ao defensor. Ele também prestou depoimento na 105ª Delegacia Policial.



Edição anterior (1429):
terça-feira, 09 de outubro de 2018
Ed. 1429:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1429): terça-feira, 09 de outubro de 2018

Ed.1429:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior