Edição: sábado, 09/06/2018
Compartilhe:

  Colunistas
Frederico Amaro Haack
COLUNISTA

O SOFRIMENTOS DOS COLONOS GERMÂNICOS A BORDO DO NAVIO “MARIE”

Segue a carta enviada pelos colonos ao imperador d. Pedro II, quando aportaram no Brasil os colonos do navio “Marie” em agosto de 1845. Suplicando ajuda de Sua Majestade, devido aos transtornos sofridos ao longo de 74 dias de viagem da Europa ao Brasil.

“Ao louvadíssimo Governo Imperial da Provincia do Rio de Janeiro:

 Os obdedientíssimos, abaixo assinados, pobres imigrantes alemães, que arriscaram e deram o grave passo de deixar sua pátria, para estabelecer no Brasil e entregar-se à proteção do poderossíssimo Imperador dom Pedro II e respectivamente do seu fiel e louvabilíssimo Governo Provincial, permitem-se humildemente, aconselhados pelo Capitão de seu navio, o sr. Chastell, apresentar respeitosamente a seguinte queixa:

 Como é sabido, o Governo Imperial desta Província contratou com a casa Charles Delrue & Companhia, de Dunquerque, pagar-lhe, por cada pessoa de 15 a 40 anos 245 francos; de 5 a 15 anos 122 e meio francos,e nada para as crianças menores de 5 anos; além dessas quantias, a casa Delrue nada mais receberia; e nós deveremos reembolsar estas importâncias ao Governo Provincial, com o suor do nosso rosto.

 Delrue, porém, não satisfeito ainda com este arranjo, e pondo nenhum limite-se à sua cobiça conseguir, também conosco uma quantia, por cada pessoa de 15 a 40 anos 80 francos; de 5 a 15 anos 40 francos; e pelas crianças menores de 5 anos 10 francos. E isso de maneira tão escandalosa, que não podemos abster-nos de relatar essas extorsões, ao Governo Imperial.

 Em Colônia, onde os sequazes de Delrue estavam agindo, extorquiram de nós as mencionadas quantias, a título de cauções, mediantes recibos, com a promessa de que as mesmas importâncias nos seriam restituídas pelo Governo Imperial, ou pelo menos haveríamos de ser indenizados, por outra maneira.

 Tal pagamento, apesar da resistência da maioria dos imigrantes, de fato, teve que ser efetuado. Em Dunquerque, na casa Delrue, de alguns que se encontravam inteiramente sem meios, com ameaças, extorquiram documentos de confissões de dívidas, e a outros arrancaram os recibos passados, a pretexto de anexá-los aos outros documentos, e assim apresentá-los ao Governo Imperial Brasileiro. Todos nós duvidamos que isso aconteça,e estamos firmemente persuadidos que a casa Delrue cometeu conosco uma grande fraude.

 E, ainda não contente com estas extorsões, contratou a referida casa conosco, acerca das provisões que deveriam ser fornecidas para a nossa viagem de Dunquerque ao Rio de Janeiro, obrigando-se a prover e fazer entregar-nos a bordo, os seguintes mantimentos: boa carne de vaca e de porco, boa bolacha, legumes secos, diariamente um quarto de medida de cerveja, duas vezes por semana bebidas espirituosas,e nos domingos um quarto da medida de vinho por pessoa; e para cada cama um bom colchão de palha e travesseiro.

 Mas, de tudo isso, nada foi fornecido na forma estipulada. A casa Delrue, após obter astuciosamente os citados recibos, mandou-nos levar para bordo e partir no navio “Marie”.

 É compreensível que, no primeiro tempo, em que reinava entre os imigrantes enjôo de mar, os comestíveis fossem distribuídos com alguma escassez; esperávamos, porém, que no futuro nosso tratamento haveria de melhorar, no que fomos cruelmente enganados.

 Passada a doença estando com fome todos os imigrantes não apareceram os mantimentos estipulados; em vez disso deu-se a cada um apenas uma bolacha, diariamente, e até esta em putrefação e cheia de vermes, o que faria adoecer os mais robusto.

 De manhã, pelas 11 horas, distribui-se a cada um, uma concha de sopa com caldo ralo por assim dizer que água pura, e da mesma maneira à tarde, pelas 5 horas, uma dita concha com sopa de ervilhas ou feijão, preparada de tal maneira, que para 7 ou 8 barris de água podre, calculou-se três quartos a balde de feijão e ervilhas misturadas. De batatas, recebemos ao todo 4 ou 5 cestos, e entre elas estavam ao menos um terço em putrefação.

 Em lugar de recebemos, diariamente, uma regular porção de boa carne, forneceu-se por cabeça, num dia, um garfo de cozinha com peixe podre e fétido, e no outro dia 60 ou 70 gramas de carne, por pessoa.

 Em vez de fornece-nos, diariamente um quarto da medida de cerveja, deram-nos apenas duas vezes por semana, um quarto de litro; e bebidos espirituosas não recebemos se não, nos 3 ou 4 últimos dias, antes da chagada,a razão de um oitavo de litro.

 O vinho prometido não chegamos a provar. Nem todas as camas foram providas de travesseiros.

 Dessa maneira, cerecemos quase de tudo, e passamos amarga forme e sede, com que aflitos à noite nos deitávamos,e de manhã nos levantávamos.

 Nosso Capitão, várias vezes, interrogado a respeito, assegurou-se não haver recebido mais mantimentos de Delrue, e que tínhamos sido enganados por ele e seus sequazes, na maneira mais escandalosa.

 Mais tarde, porém, houve um pequeno aumento de bolacha de forma que se deu uma meia por cabeça, e nos últimos 6 dias duas, por pessoa.

 A maior parte dos imigrantes, que havia trazido de casa pequena provisão de mantimentos, viu-se obrigada a consumi-la ou partilhá-la com seus companheiros famintos, a fim de matar a roedora fome.

 Chegados, finalmente, às praias do Brasil, sem mantimentos e dinheiro, até destituídos de tudo, nós pobres imigrantes vemo-nos obrigados a reconhecer, como é evidente, que fomos escandalosamente enganados por Delrue.

 Por isso, de joelhos, suplicamos, como súditos fiéis, e obedientes, de agora em diante do nosso benigníssimo monarca e soberano, respectivamente do seu fiel Governo Imperial da Província, que de forma alguma reconhecerá e aprovará tal tratamento como justo e razoável em seres humanos, que se digne conceder-nos a augusta graça e proteção, na defesa dos nossos direitos, tomando benignamente as medidas convenientes, em vista das violências e extorsões praticadas em nossas pessoas pelo referido Delrue, a fim de que nos sejam restituídas as quantias, injustamente extorquidas, e sejamos indenizados, a custas do mesmo Delrue, pelos sofrimentos que durante 73 dias padecemos, nas ondas do mar.

 Na almejada esperança que nossa humilde súplica receba o beneplácito do nosso fiel Governo Imperial da Província, permanecemos no mais profundo respeito e humildade, como muito submissos e fiéis súbditos, servos do Governo Imperial da Província.

Redigido, no porto do Rio de Janeiro, em 22 de Julho de 1845..’



Compartilhe:


Casando com Estilo



Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior