Edição anterior (1154):
domingo, 07 de janeiro de 2018
Ed. 1154:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1154): domingo, 07 de janeiro de 2018

Ed.1154:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

HAC busca habilitação de Unidade de Alta Complexidade em terapia nutricional (Enteral/Parenteral)

Hospital poderá receber R$ 350 mil em recursos anuais do Ministério da Saúde

 

O Hospital Alcides Carneiro busca avançar na qualidade do atendimento dos pacientes internados e poderá ter a 1ª Unidade de Alta Complexidade em Terapia Nutricional (Enteral/Parenteral) do município. O primeiro passo já foi dado, em novembro de 2017 a Secretaria de Saúde conseguiu a aprovação do ComSaúde para o projeto de credenciamento que seguirá este ano para aprovação do Estado e, por fim, do Governo Federal. Caso conquiste a habilitação, o hospital passará a receber o recurso de R$ 350 mil anuais para custeio da alimentação.

 

O HAC conta com 226 leitos e média de 839 internações ao mês, com taxa de ocupação de 84,3%. Esses pacientes ficam aproximadamente cinco dias internados, por conta disso, o HAC já implantou a Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN) composta por médico nutrólogo, nutricionistas, enfermeiro e farmacêutico que visam à qualidade do serviço prestado aos usuários e acompanhantes.

 

“Em primeiro lugar está a qualidade do atendimento dos pacientes do hospital. A equipe já está atuando e vem proporcionando a melhora da alimentação dos usuários e dos próprios funcionários fornecendo um cardápio variado diário com opções para o café da manhã, colação, almoço, café da tarde, jantar e ceia. A habilitação será mais uma conquista para o hospital que vem desde o ano passado em uma crescente evolução”, avalia o prefeito Bernardo Rossi.

 

Os pacientes hospitalizados apresentam grandes dificuldades para manter um estado nutricional adequadas. Segundo a Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral, cerca de 30% destes pacientes tornam-se desnutridos nas primeiras 48 horas de internação. Até o sétimo dia internado, esse percentual pode chegar a 45%, principalmente entre acometidos por infecções graves, traumatismos ou pacientes recém-operados.

 

“Essa assistência exige uma estrutura hospitalar com área física adequada, equipe multiprofissional e suporte de serviços auxiliares de diagnóstico e terapia o que já temos no HAC. Assim proporcionamos condições adequadas para a prestação de assistência hospitalar e especializada a pacientes em risco nutricional ou desnutridos. A Terapia Parenteral e Enteral, quando devidamente indicada é fundamental para a diminuição da mortalidade hospitalar”, informa o secretário de Saúde, Silmar Fortes.

 

O diretor técnico do HAC, Daniel Falcone explica que com a habilitação pelo Ministério da Saúde, o município deixará de custear a terapia nutricional que hoje se equipara ao preço de uma diária de um paciente de clínica médica no SUS. No Hospital Alcides Carneiro cerca de 900 pacientes fizeram uso da alimentação este ano.

 

“A diária custa R$ 60 em média que é o valor que pagamos nesse tipo de alimentação. Já ocorreu a aprovação do credenciamento pelo conselho e iremos junto à Secretaria de Saúde buscar a aprovação no Estado e no Governo Federal para que possamos receber recursos de custeio. É um processo demorado, mas esperamos conseguir esse credenciamento ainda este ano”, disse Daniel.

 

O benefício da alimentação adequada na evolução dos pacientes

A Terapia Nutricional de Alta Complexidade é utilizada em pacientes que possuem algum tipo de dificuldade em se alimentar da forma habitual e é constituída de duas modalidades: para os que podem utilizar o trato digestivo é feita a Terapia Enteral por meio de sonda nasoentérica, gastrostomia ou jejunostomia. Já aquele que não podem utilizar o trato digestivo é feita a Terapia Nutricional Parenteral (intravenosa).

De acordo com a chefe de nutrição do HAC, Ruana Machado, a equipe multidisciplinar realiza uma triagem nutricional de todos os pacientes que entram na unidade para avaliar o risco de desnutrição.

“Um paciente que é admitido no HAC com um quadro grave de trauma, por exemplo, tem grande probabilidade de perder peso e, consequentemente, dificultar o processo de recuperação. O acompanhamento precoce e diário, realizado pela equipe até a alta hospitalar garante uma recuperação efetiva do paciente diminuindo assim o tempo de internação e um possível retorno a unidade hospitalar”, destacou.

Daniel Falcone reforça que a Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN) é formada por especialistas que acompanham diariamente a evolução do paciente internado.

 “Cada profissional tem um papel fundamental para a realização desse trabalho. O médico faz a prescrição. O nutricionista verifica que tipos de insumos correspondem à prescrição médica. O enfermeiro administra todas essas modalidades terapêuticas, além de participar do plano individual de alta do paciente em terapia nutricional. E o farmacêutico manipula, quer dizer, fabrica a terapia nutricional parenteral”, informa o diretor técnico do HAC.



Edição anterior (1154):
domingo, 07 de janeiro de 2018
Ed. 1154:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1154): domingo, 07 de janeiro de 2018

Ed.1154:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior