Edição: sábado, 14/04/2018
Compartilhe:

  Diário Comunidades

Moradores do Bela Vista cobram obras no trecho da rua que está cedendo

Natália Rodrigues  natalia.rodrigues@diariodepetropolis.com.br


 Já se passaram dois meses e até hoje moradores da Rua Gregório Cruzick, no Bela Vista continuam sem ônibus, devido à um trecho com risco de queda localizado próximo a ‘ponte de ferro. O incidente ocorreu ainda em fevereiro, pelo menos 15 dias antes da chuva que castigou o Caxambu e a região no início de março, mas o episódio prejudicou ainda mais a área. Com a situação, a população é obrigada a percorrer um longo percurso a pé.

Cláudia Christi, dona de casa, contou que a Prefeitura colocou grades interditando a via, mas elas foram retiradas por motoristas que trafegam pela área. E com o caminho ‘liberado’, inúmeros carros, vans escolares, caminhões de entregas e até o que faz a recolha de lixos continuam passando pelo local normalmente.

- A Prefeitura veio aqui e colocou essas grades, mas algumas pessoas que não queriam andar mais um pouco, tiraram e colocaram do lado da pista e o pessoal voltou a passar por aqui normalmente. O certo era a Prefeitura vir aqui e consertar esse pedaço que está caindo para poder liberar a passagem do ônibus ou então deveria interditar de vez o acesso antes que a rua caia de vez – disse.

Os moradores cobram a disponibilização de um transporte alternativo, como uma Kombi ou van como foi feito em outras comunidades, pelo menos até que as obras fossem concluídas.

- Se não tem como arrumar a rua agora, então que a Prefeitura coloque uma van para nos levar até a entrada da rua ou então até o terminal. O que não pode continuar é os moradores andarem em rua esburacada com bolsas, com crianças de colo, cansados vindos do trabalho. A noite então e nos dias de chuva não tem condições – completou a dona de casa.

Outra moradora, Sandra Maria Gonçalves Cabral, explicou que nos dias de chuva a situação piora, pois na entrada da rua, em um ponto conhecido como ‘escadinha’, ainda há lama recorrente do alagamento ocorrido em março que não foi retirado totalmente até hoje.

- Eu tenho que descer lá na ponte de ferro e voltar todo o caminho, moro quase na metade da rua, com isso eu acabo andando muito mais, porque não tem condições de alguma pessoa passar por ali, senão pode cair. A Prefeitura tem que recolher o restante da lama e lavar essa parte. Quando chove não tem como passar por ali a pé, tem ainda muita lama e está muito perigoso porque nós deslizamos ou ficamos com os pés agarrados – contou.

As crateras na pista são mais um transtorno, o problema é antigo a via já estava em situação precária, mas piorou com o período das chuvas. Além disso, alguns galhos de árvores estão caídos pelo caminho. Tanto a dona de casa como os demais vizinhos temem que algum incidente possa acontecer.

- Aqui sempre teve muito buraco, mas nesses últimos meses piorou, e com essas chuvas aumentaram muito de tamanho. Quando saio de casa preciso descer no início da rua ou perto da ponte de ferro. E tanto um lado como no outro é muito longe e a rua está cheia de buracos. Estamos abandonados, de carro então não tem como fugir, porque você desvia de um e acaba caindo no outro – disse.

O especialista em importação Fabiano Ferreira reside logo no início da rua, mas vendo o sacrifício e a preocupação dos outros moradores entrou em contato com a Prefeitura, mas foi informado que outros bairros tinham prioridade.

- A rua já estava ruim, só que a chuva de março piorou muito mais. Eu moro no início da rua, nem costumo passar por esse local a pé, mas estou preocupado com a situação dos outros moradores, todo mundo passa aqui e comenta que ainda tem muita lama e sujeira. Contratamos um trator particular para retirar a lama, mas ele nem nos cobrou, só que ainda é necessário fazer muita coisa. A rua está cheia de buracos, e se tem algum tapado foi graças aos próprios moradores que jogaram barro para amenizar a situação – relatou.

Questionada pelo Diário de Petrópolis, até o fechamento desta matéria a Prefeitura não havia se pronunciado sobre o caso.

Empresa responde sobre o caso

A empresa Cidade das Hortênsias informou que o ônibus não está passando pelo local devido aos riscos de queda de um trecho da via.



Compartilhe:




Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior