Fique em dia
quarta-feira, 13/09/2017
Voltar

Obras de contenção no São Sebastião trazem alívio para os moradores

Construção de uma barreira dinâmica na Capitão Paladin ié uma das melhorias para a comunidade

PAC das Encostas no São Sebastião alcança R$ 14,5 milhões

 
 

Alívio. Essa é sensação dos moradores da Rua Capitão Paladini, após a construção de uma barreira dinâmica de 490 metros de extensão e quatro metros de altura. A intervenção no local foi necessária para impedir que pedras e árvores que eventualmente de desprendam durante as chuvas caiam sobre os imóveis da região e faz parte do lote 2 do PAC das Encostas. Essa obra, no entanto, não é a única do bairro, ela faz parte de um conjunto de melhorias que estão sendo realizadas no São Sebastião para garantir a segurança e tranquilidade dos moradores.


Além dessa intervenção, o bairro também conta com obras que fazem parte do lote 1 na Rua Alexandre Fleming. O local recebe uma barreira dinâmica de 250 metros, que está pronta –faltando, apenas, concluir o sistema de drenagem para encerrar a intervenção. Dentro do PAC das Encostas, o São Sebastião tem investimentos de R$ 14,5 milhões.


“O PAC promoveu para a comunidade uma estruturação social e urbana, oferecendo uma melhor qualidade de vida para os moradores e proporcionando um desenvolvimento acelerado e sustentável”, destaca a moradora do bairro, a professora Alessandra Rocha.


A atual administração, explica o secretário de Obras, Ronaldo Medeiros, não vem medindo esforços para que as obras possam ser retomadas e ocorrer efetivamente. “No PAC das Encostas, por exemplo, fazemos a recomposição de tudo que foi arrestado no fim do ano passado para que esse investimento possa ser concretizado no município. E também buscamos outras formas de conseguir obras para proteger a nossa população”, explica.


O PAC das Encostas tem 14 intervenções em três etapas, com investimento total de R$ 60,2 milhões. Em dezembro do ano passado, as contas do programa foram arrestadas para o pagamento do funcionalismo. O governo Bernardo Rossi já pagou R$ 5,8 milhões e as obras estão sendo retomadas desde o mês passado.
“A gente fica preocupado quando chove, porque não sabemos o que pode acontecer. Essas obras são importantes demais para gente, para nos dar maior segurança, para a gente poder dormir tranquilo sem ficar pensando a todo minuto se a nossa casa está em risco”, diz a auxiliar de administração, Valéria Pires, que mora no bairro há cerca de oito anos.


No lote 3, as barreiras dinâmicas da Rua Amaral Peixoto (Quitandinha) e da Rua Eugênio Werneck (Morin) já foram reiniciadas. No lote 2, após a liberação de R$ 3,3 milhões, outras duas serão retomadas, no Atílio Marotti e na Rua Brigadeiro Castrioto (Floresta), que também vão ganhar barreiras dinâmicas.


Além disso, o município garantiu a contrapartida de R$ 12 mil para obras na Rua Desembargador Luiz Antônio Severo, em Itaipava, o que deu início à intervenção. Outra obra que começou foi no Dr. Thouzet, onde uma obra esperada por moradores há 12 anos no Sítio do Pica-Pau saiu do papel no mês passado.
Na busca por recursos, a cidade já conseguiu R$ 1,8 milhão de emendas para obras de contenção no Castelânea e no Siméria e solicitou R$ 165 milhões ao Ministério das Cidades para intervenções preventivas em 25 bairros e outros R$ 36 milhões para sete locais dentro do programa de Recuperação e Reabilitação mantido pelo Ministério da Integração Nacional.

Fotos: Marcello Santos



Voltar


Casando com Estilo



Topo