Edição anterior (1251):
sábado, 14 de abril de 2018
Ed. 1251:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1251): sábado, 14 de abril de 2018

Ed.1251:

Compartilhe:

Voltar:


  Saúde

Pacientes aprovam serviço de acompanhamento pós-alta do HAC

Pacientes receberão orientações para cuidados essenciais a serem feitos em casa

 

Aprimorando a assistência ao paciente do SUS, desde a internação cirúrgica até a alta, o maior hospital público de Petrópolis inovou ao implantar o serviço de acompanhamento pós-alta hospitalar. A iniciativa inédita na rede SUS consiste em realizar contato telefônico com o paciente em até 15 dias após ele deixar a unidade. Pelo protocolo, o paciente é orientado sobre os cuidados com o banho, curativos, uso de medicamentos, fisioterapia, alimentação adequada, entre outros.

Completando 15 dias de implantação do serviço, o HAC já realizou 300 atendimentos por telefone e, destes, apenas 02 pacientes foram encaminhados para reavaliação médica e 90% dos usuários aprovaram o atendimento pela pesquisa de satisfação do hospital.

“É preciso investir em projetos que tragam melhorias para o atendimento e informação dos pacientes. Este tipo de ação permite que o pós-operatório de cada um seja orientado de forma específica, observando as particularidades de cada caso, até para que o paciente se sinta seguro ao ir para casa. A individualidade de cada paciente precisa ser observada para que possamos oferecer o atendimento que nossa população merece”, explica o prefeito Bernardo Rossi.

A iniciativa acompanha o crescimento do hospital que em 2017 realizou 7 mil cirurgias das 10.062 internações.  A média de permanência destes pacientes é de 6 dias, nos 226 leitos disponíveis na unidade. Com a implantação do Serviço de Acolhimento pós-alta, médicos, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, nutricionistas e fisioterapias encaminharão à enfermeira responsável todo o histórico do paciente para que em até 15 dias após a alta, ela possa telefonar para saber se as orientações estão sendo seguidas e como está a recuperação do mesmo.

O secretário de Saúde, Silmar Fortes, destaca que futuramente o serviço pode ser um reforço ao referenciamento de atendimento junto à rede de Atenção Básica, uma vez que o paciente após a alta hospitalar retorna para acompanhamento ambulatorial nas unidades de saúde.

            “O novo protocolo é uma oportunidade para os pacientes tirarem suas dúvidas e assim conseguimos diminuir ou contribuir para evitar a reospitalização. O que pretendemos trabalhar é que assim que esse paciente retornar à unidade para retirada de pontos ou alta do procedimento cirúrgico, ele mantenha a continuidade do cuidado junto à rede de atenção básica fortalecendo o acompanhamento contínuo e os cuidados preventivos”, afirma Silmar Fortes.

90% dos pacientes aprovam o serviço de acompanhamento pós-alta hospitalar

Em 15 dias de funcionamento do acompanhamento pós-alta hospitalar, 300 pacientes foram atendimentos por telefone, destes, apenas dois pacientes foram encaminhados para reavaliação médica e 90% dos usuários aprovaram o novo serviço pela pesquisa de satisfação do hospital. A enfermeira chefe do serviço, Flávia Bretas Alencar Jordano, reforça que os telefonemas ocorrem de segunda a sexta-feira, de 8 às 17h.

“Eu recebo a lista de todos os pacientes cirúrgicos das clínicas geral, vascular, pediatria e ginecologia diariamente. Avalio junto às equipes cada prontuário e a necessidade do paciente. Temos em média 20 ligações por dia e durante esse período de implantação do protocolo apenas dois nós solicitamos a reavaliação médica. Em 90% das ligações os pacientes se mostraram satisfeitos com o atendimento e as instalações das unidades”, disse.

Uma das pacientes reavaliadas após o contato telefônico do serviço foi a dona de casa, Janaína Maria Maxedes, 57 anos que desenvolveu uma trombose em uma das pernas no período em que se recuperava em casa de um procedimento.

“Para mim estava tudo bem, mas eu sentia a perna inchada e fiquei muito acamada. O médico pediu que eu ficasse atenta, pois a trombose podia voltar, mas não podia imaginar que era algo assim. A enfermeira entrou em contato e pelo telefone já identificou que tinha algo errado e me mandou voltar. Rapidamente retornei e hoje estou internada em observação. Para mim esse serviço foi maravilhoso, mostra que o hospital está preocupado com a nossa saúde e recuperação”, afirma. 



Edição anterior (1251):
sábado, 14 de abril de 2018
Ed. 1251:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1251): sábado, 14 de abril de 2018

Ed.1251:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior