Edição: quarta-feira, 06/06/2018
Compartilhe:

  Política

Por 10 votos a 3, Câmara rejeita pedidos de cassação de vereadores

Pedidos de Daniel Silveira e Yuri Moura foram anexados e votados em plenário

Yuri Lima yuri.lima@diariodepetropolis.com.br

 a tarde de ontem (5), os vereadores rejeitaram, com 10 votos contrários e 3 votos favoráveis, os pedidos de cassação dos mandatos dos vereadores Paulo Igor (MDB) e Dudu (Patri). As solicitações foram apresentadas pelo ativista político Daniel Silveira e pelo pré-candidato a deputado estadual Yuri Moura (PSOL).

Apenas os vereadores Leandro Azevedo (PSD), Gilda Beatriz (MDB) e Antonio Brito (PRB) votaram de forma favorável à abertura do processo que poderia culminar na cassação dos vereadores. A instauração da Comissão de Ética para a análise do caso foi rejeitada por Maurinho Branco (PP), Reinaldo Meirelles (PP), Luisinho Sorriso (PSB), Márcio Arruda (PR), Jorge Relojão (PRP), Wanderley Taboada (PTB), Marcelo da Silveira (PSB), Roni Medeiros (PTB), Ronaldão (PR) e Justino do RX (MDB).

Apenas o pedido de Yuri Moura seria apreciado, mas, após solicitação do vereador Leandro Azevedo (PSD), a proposta de abertura do processo de cassação feita por Daniel Silveira foi anexada ao outro pedido.

A vereadora Gilda Beatriz (MDB) afirma que apenas a comissão de ética, que é instaurada após a aprovação, poderia ter a eficiência para analisar o quadro. A parlamentar ainda afirma que a situação é delicada e que gostaria de estar votando projetos importantes para a cidade, não denúncias contra membros do legislativo.

- A comissão poderá ser instaurada e ela terá competência para analisar as denúncias. Acredito que os trabalhos da comissão serão acompanhados por todos, assegurando sua lisura e eficiência. Votar contra a emissão significa ser contra uma postura transparente e democrática – afirmou.

Leandro Azevedo também declarou voto favorável à abertura do processo, dizendo "acreditar na democracia e na transparência" no processo político.

- Estamos em uma democracia, e é através da mobilização que se chega a algum objetivo. Agradeço ao público que se manifestou em diversas lutas. Vi muitos dos que estão aqui, e espero que isso permaneça - afirmou Leandro.

Em posição contrária, Reinaldo Meirelles disse que entrou em contato com bacharéis em direito, e afirmou que o parecer não pode ser votado pelo Legislativo, sendo necessário antes o parecer do Judiciário. Para o parlamentar, a definição não cabe à Câmara Municipal de Petrópolis. Ele lembrou a tentativa do presidente Roni Medeiros (PTB) de suspensão de pagamento de salários.

- A Constituição Brasileira determina o direito ao contraditório e ampla defesa, direitos básicos de qualquer cidadão. Então foi protocolada a abertura do processo que, neste momento, independente do resultado, não teremos. Mas com certeza estaremos nos antecipando a um processo de questões judiciárias, esta é a minha posição pessoal – disse.

No plenário, estavam os autores dos pedidos e apoiadores, que fizeram manifestações em vários momentos, criticando os parlamentares contrários à solicitação.



Compartilhe:

Casando com Estilo



Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior