Fique em dia
domingo, 13/08/2017
Voltar


Projeto vai transformar Rua 16 de Março em “Corredor Cultural”

Philippe Fernandes

Uma rua cheia de vida, com festivais, exposições e apresentações musicais para valorizar a experiência de quem frequenta o local: este é o projeto que foi realizado por uma agência de publicidade para transformar a Rua 16 de Março. A ideia foi abraçada pelos empresários da rua, que veem na iniciativa uma espécie de “segunda revitalização” da rua, trazendo um fator diferencial para a região.

A ideia foi pensada pela agência Firma, que funciona na 16 de Março, e foi construída em diálogo constante com os empresários da rua. O projeto é mais do que um plano publicitário: além da estratégia de mídia (páginas nas redes sociais já foram criadas para divulgar as atrações da rua), o movimento propõe uma estratégia para conquistar o turista e o petropolitano.

A agência partiu de um diagnóstico que mostra fatores como a imagem positiva da rua, a presença de grandes marcas e a localização do Centro Histórico. No entanto, ainda faltam unidade no discurso, o trabalho turístico, a movimentação cultural e algo que é muito importante hoje em dia, na era das redes sociais: o apelo visual.


A criação de uma identidade visual própria é o primeiro passo para fortalecer a experiência estética e tornar a via uma referência cultural. No projeto, estão previstos diversos festivais – das flores, das frutas, dos livros – para tornar a rua um espaço que vai além do centro comercial. Atrações musicais e exposições de fotografia e poesia são outras ideias que estão sendo planejadas.


De acordo com um dos sócios da Firma, Rafael Eckhardt, a iniciativa vai além de uma estratégia de publicidade: tem o objetivo de fazer da 16 de Março uma rua viva.


- A 16 de Março já tem uma alma própria, a relação com o petropolitano é muito positiva, tem uma imagem muito bem construída. Nós queremos estreitar ainda mais esses laços, tornando o elemento cultural da rua algo ainda mais forte. Um ponto que nós tocamos é sobre existir apelo visual, o visitante ter o que ver aqui. Hoje, a geração da imagem é muito importante tanto para o turista quanto para o morador. A pessoa prioriza a imagem que vai gerar, e depois vive a experiência de fato. Por isso é importante a rua ser essa geradora de imagem. As ferramentas de comunicação digital são um braço desse processo – afirma.

“A 16 de Março já tem uma imagem muito bem construída. Queremos estreitar ainda mais estes laços” – Rafael Eckhardt, publicitário

Para chegar às propostas, os publicitários fizeram um estudo diferenciado, analisando o caso de outras ruas que também utilizaram o espaço público para uma série de atividades, incrementando a experiência visual e afetiva, como a Champs Elysées, em Paris; La Rambla, em Barcelona; além dos bairros de Santa Teresa, no Rio; e Vila Madalena, em São Paulo. O trabalho desenvolvido na cidade de Gramado (RS) também foi analisado. Todos esses locais têm um ponto em comum: geram uma experiência diferenciada para o público.
O conjunto de ações é tratado como uma segunda etapa do projeto de revitalização da 16 de Março – primeira rua que passou pelo processo de reurbanização do Centro Histórico, no ano de 2003.


- A 16 já é um pouco diferente esteticamente, já evoluiu. O primeiro passo foi dado. Acredito que o segundo passo é esse, usar as ferramentas de comunicação da rua, estreitar os laços com o morador da cidade.
Os lojistas da rua estão empolgados com esta nova possibilidade. A empresária Alvanei Abi Daoud, proprietária da loja Mr. Hugo, acredita que a 16 de Março sai na frente com esse tipo de evento.


- É um trabalho muito bonito. Nós queremos que os moradores daqui e os turistas se sintam bem quando visitam a rua. Com essas ações, vamos dar um colorido para a rua, deixá-la com personalidade. Esta era uma ideia antiga nossa, mas precisávamos da união de todos, e a “turma” entendeu que precisa estar unida e somar forças para construir uma cidade melhor – declarou.

Paulo Barbosa

A proposta de incrementar a Rua 16 de Março surge praticamente ao mesmo tempo de outro movimento de revitalização: os empresários da Rua Paulo Barbosa manifestaram o interesse em recuperar a via, e buscam uma parceria público-privada para tornar realidade o sonho. O ponto de partida seria o novo prédio que será construído no local onde funcionou o supermercado Extra, destruído por um incêndio no final do mês passado.


Os empresários da rua se reuniram com o prefeito Bernardo Rossi no começo do mês para debater a proposta, que prevê calçadas mais largas e bancos ao longo da via, seguindo o modelo das Ruas do Imperador e 16 de Março. As mudanças seriam feitas em bloco, de acordo com a contrapartida do comércio local.


- Esperamos começar a realizar este projeto o mais breve possível, garantindo que a Rua Paulo Barbosa seja uma via tão bela quanto o restante do Centro Histórico – disse, na semana passada, o empresário Jorge Simão.



Voltar


Casando com Estilo



Topo