Edição: sexta-feira, 05/01/2018
Compartilhe:

  Colunistas
Reinaldo Paes Barreto
COLUNISTA

Rabo-de-galo

Ou seja, cocktail.  E por que essa palavra? Porque é uma associação de ideias com o colorido das misturas e em inglês (USA) a imagem é essa: cock + tail.

E o coquetel começou como uma bebida quase que exclusivamente preparada em bares, donde a importância de um barman, ou bartender,  já que hoje é melhor não ficar definindo gêneros.

Segundo os drincólogos ou mixólogos,  designa um drinque que combina duas ou mais bebidas, sendo pelo menos uma alcoólica e à qual deve ser adicionados gelo, frutas ou ervas (aipo, menta), creme de leite, açúcar, etc.

Foi inventado no final do século XIX, mas teve o seu apogeu durante a Lei Seca, década 20-30, como uma fórmula para, de um lado amenizar o terrível gosto das bebidas fabricadas ilegalmente com álcool fabricado em garagens e, do outro, disfarçar os eventuais flagrantes dos fiscais pois parecia(m) inocentes sucos ou infusões.

O caso típico é o Bloody Mary, mas o mais emblemático, com repertório imenso de histórias (e anterior à Lei Seca) é o Dry Martini, até hoje o coquetel mais famoso do mundo ocidental.

Dry Martini


(foto do site Mixology News)

Esta receita foi criada especialmente para o velho John Rockefeller, por volta de 1890

Ingredientes

2 partes London dry gim
1 dose de vermute seco francês
1 fatia de casca de laranja

Taça: martini

Decoração: azeitona e/ou casca do limão

Modo de preparar

Misturar os ingredientes na coqueteleira, com gelo. Usar uma colher de cabo longo (nunca sacudir).
Coar e derramar na taça apropriada.
Colocar uma azeitona. Obs.: azeitona verde não pode ser conservada em óleo nem recheada. Mas o clássico é com casca de limão.

Outro colosso da antiga é o Horse’s Neck, o preferido da minha mulher, assim chamado porque a casca da laranja cortada em espiral realmente lembra o pescoço de um cavalo.


Horse’s Neck:
Ingredientes
2/10 de brandy
– 8/10 de ginger ale
– 1 dose de Angustura bitter (opcional)
– casca de limão ou laranja
– 1 cereja.

Modo de preparar:
Descasque um limão ou laranja em forma de espiral.
Coloque uma das extremidades da espiral sobre a borda de um copo long drink, de modo que o resto da casca desça, enrolada, dentro do copo.
Monte o drinque colocando gelo quebrado no copo, depois o brandy (Jack Daniels) e o ginger ale.
Decore com uma cereja e sirva com um canudo.

Finalmente, o Negroni
Ingredientes
1 dose de gim
1 dose de Campari
1 dose de vermute tinto
1 tira de casca de limão

Modo de fazer
Em um copo baixo, conhecido como old-fashioned, coloque quatro pedras de gelo. Adicione as bebidas e mexa bem. Decore com a casca de limão.

Regras de Ouro

Mas seja qual for o coquetel – estes ou outros – há duas regras sagradas: 1) não adiciona mais do que quatro elementos: um álcool como base, um licor para aromatizar, um xarope para colorir e adoçar e um suco (ou casca) de fruta; 2) os equipamentos devem ser mantidos em condições de higiene absoluta.

Um copo sujo destrói qualquer mistura.

Eu acrescentaria uma terceira “lei”: coquetel não é para acompanhar refeição. É para ser apreciado em cadeira alta de bar, com algum salgadinho ligeiro. E mais de três é porre!

 

 



Compartilhe:

Veja também:




Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior