Edição anterior (1212):
terça-feira, 06 de março de 2018
Ed. 1212:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1212): terça-feira, 06 de março de 2018

Ed.1212:

Compartilhe:

Voltar:


  Saúde

Secretaria de Saúde orienta população sobre os cuidados na limpeza das casas afetadas pelas chuvas

Equipes orientaram os moradores que, em caso de febre alta ou dores no corpo, procurem uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

A Secretaria de Saúde mobilizou as equipes de Vigilância Ambiental para orientar a população atingida pelas chuvas do último sábado (03.03) a fim de prevenir o surgimento de doenças relacionadas ao contato com a lama ou água suja. Emergencialmente, os agentes de endemias da Vigilância Ambiental realizaram uma varredura, nesta segunda-feira (05.03), pelos bairros Cascatinha e Bela Vista, regiões que não são cobertas por unidades de Saúde. O objetivo da Saúde é conscientizar a população sobre a limpeza das áreas atingidas por lama a fim de se evitar a leptospirose, tétano, diarreia, hepatite A e B.

As demais regiões – Morin, Corrêas e Itamarati estão sendo assistidas pelos profissionais que atuam nos PSF e UBS dos bairros. A Vigilância Ambiental também alerta sobre os acidentes com animais peçonhentos que podem ficar escondidos em escombros ou lama. O secretário de Saúde, Silmar Forte, reforça que este é o momento de orientar as famílias também quanto aos cuidados aos primeiros sintomas que podem aparecer em até três dias após a exposição a água da enchente.

“Se a pessoa começar a manifestar sintomas de febre alta, dores no corpo e diarreia é importante que ela procure uma unidade de pronto atendimento e relate no momento da consulta que teve contato com água das chuvas ou lama. As equipes também estão orientando sobre a limpeza com água sanitária e a utilização do hipoclorito de sódio nas caixas d’água. Esse é o momento de entrarmos com as ações preventivas das doenças associadas a exposição com as chuvas”, afirma o secretário de Saúde.

A diretora de Vigilância em Saúde, Elisabeth Wildberger explica que durante as chuvas os animais podem se esconder embaixo de escombros. Ela reforça que a noite aranhas e escorpiões são mais ativos, então é importante antes de dormir inspecionar os cômodos da casa, principalmente as camas e berços.

“Esses animais peçonhentos se escondem também em objetos de uso pessoal ou roupas, então antes de se vestir é importante sacudir as peças e estar sempre atento às áreas internas e externas das casas. Em caso de acidentes com animais peçonhentos é preciso procurar imediatamente a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Centro que é o polo para todas as cidades da Região Serrana na aplicação diária dos soros antirrábico, antitetânico, antiofídico (picada de cobra), antiaracnídico (picada de aranha) e antiescorpiônico (picada de escorpião)”, informa.

 A coordenadora da Vigilância Ambiental, Maria Beatriz Fagundes Pellegrini reforça que os agentes de endemias estarão ao longo de toda semana realizando a distribuição de informativos sobre como agir em caso de áreas afetadas por enchentes e também alertar sobre a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

“Nossa ação é educativa e como tivemos muita chuva o acúmulo de água também é maior, então é importante conscientizar toda a comunidade sobre a importância de se acabar com os focos do mosquito. Nas vistorias nos bairros é importante que a população esteja envolvida no checklist dos 10 minutos contra a dengue que são ações simples que a pessoa pode fazer em casa. Quando chove qualquer objeto que acumule água pode se tornar um criadouro do mosquito então é preciso atenção e cuidado”, avalia Maria Beatriz Pellegrini.

Secretaria de Saúde Alerta - Se a sua casa ou sua rua foram inundadas:

Evite o contato com a água e a lama das enchentes, pois elas podem estar contaminadas. Se não for possível evitá-las, não fique muito tempo em contato com a água das enchentes. Proteja as mãos e os pés com luvas e botas e, caso não os tenha, use sacos plásticos duplos.
Não tome banho em rios que receberam águas da inundação, pois eles podem estar contaminados com esgoto, produtos químicos e microrganismos prejudiciais à saúde.
Não deixe que crianças brinquem nas águas da inundação.
Não deixe acumular água da chuva sobre a laje ou em outros objetos.
Não use equipamentos elétricos que tenham sido molhados ou em locais inundados, pois há risco de choque elétrico e curto-circuito.
Evite o contato com manchas de óleo na superfície da água da inundação, pois podem conter produtos químicos perigosos à sua saúde.
Sacuda roupas e sapatos antes de usá-los, pois aranhas e escorpiões podem se esconder neles e picar quando são comprimidos contra o corpo da pessoa.
Não consuma água, alimentos e medicamentos que entraram em contato com as águas da inundação.
Na ausência de água da rede de abastecimento local, filtre e desinfete a água disponível com solução de hipoclorito de sódio (duas gotas de hipoclorito de sódio a 2,5% por litro de água) e só a consuma após 30 minutos. Outro procedimento é filtrar e ferver a água por 5 minutos.
Em caso de acidente com animal peçonhento (serpente, escorpião, aranha etc.), mantenha a pessoa calma e procure atendimento médico o mais rápido possível. Não faça torniquete, não chupe e não aplique substância no local da picada.



Edição anterior (1212):
terça-feira, 06 de março de 2018
Ed. 1212:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1212): terça-feira, 06 de março de 2018

Ed.1212:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior