Edição: quarta-feira, 04/07/2018
Compartilhe:

  Saúde

Suspeita de sarampo em Petrópolis

Para especialista, é improvável que a doença se alastre, mas a vacinação é essencial

Yuri Lima - yuri.lima@diariodepetropolis.com.br

Um morador do Rio de Janeiro diagnosticado com sarampo pode ter pego a doença em Petrópolis. Em uma circular de alerta, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que o rapaz relatou ter participado dos Jogos Jurídicos, realizados na cidade entre os dias 30 de maio e 3 de junho. A circular solicita às equipes de Vigilâncias Epidemiológicas Municipais para que pessoas que tenham apresentado febre e o aparecimento de erupções cutâneas vermelhas em uma região específica ou por todo o corpo, que tenham participado do evento ou tiveram contato com algum participante, sejam investigadas para sarampo independente da suspeição inicial.

Procurada pelo Diário, a Secretaria de Saúde confirmou que recebeu o alerta emitido pelo governo estadual, e reforçou que a população deve manter atualizado o calendário básico de vacinação, melhor forma de prevenção à doença. O município destacou que conta com Unidades Básicas de Saúde, de urgência e emergência e hospitais em contato constante, realizando monitoramento para rápida atuação em caso de suspeita da doença.

A vacina triviral, que previne contra sarampo, caxumba e rubéola, está disponível nas 15 salas de vacinação. As crianças devem ter primeira dose da vacina quando completado um ano de vida, com reforço com um ano e três meses. Quem já tem doses de acordo com o calendário de vacinas não precisa ser vacinado novamente.

A Prefeitura ressaltou, entretanto, que há 26 anos não é registrado caso de sarampo no município.

Risco de surto é improvável

Para o pediatra, infectologista e diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase), Paulo Cesar Guimarães é improvável que um surto da doença se alastre pelo município.

- No Brasil a doença é controlada, no caso de estados da região norte do país, o surto está sendo provocado pelos migrantes da Venezuela. Porém, eles já chegaram contaminados, e sem tomar a vacina – explicou.

Segundo o especialista, em casos específicos, a pessoa contaminada pode não ter tomado as vacinas.

- A doença está controlada há anos, porém, pode haver casos de pessoas que não se vacinaram. Nestas circunstâncias é necessário que se faça a sorologia para ver se existe a doença. Porém, acredito que seja muito difícil algo assim ocorrer no Brasil. Também é válido lembrar que a vacina contra doença é gratuita e disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde – explicou.

Além disto, Paulo César explicou que a doença pode ser transmitida pelas vias respiratórias.

- A doença é transmitida de forma viral, por intermédio da tosse, fala e espirros. Além do contato com as lesões avermelhadas que são provocadas pela doença. De qualquer modo, o perigo maior é a transmissão pelas gotículas que saem através das vias respiratórias – disse.

O tratamento deve ser feito para cada sintoma apresentado.

- O tratamento do sarampo é feito por intermédio do tratamento sintomático, com o bloqueio do foco da doença. Desta maneira, há a possibilidade de evitar a disseminação da patologia – declarou.



Compartilhe:


Casando com Estilo



Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior