Edição anterior (1409):
quarta-feira, 19 de setembro de 2018
Ed. 1409:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1409): quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Ed.1409:

Compartilhe:

Voltar:


  Diário Comunidades

Moradores do Cascatinha cobram ações da CPTrans

Natália Rodrigues natalia.rodrigues@diariodepetropolis.com.br

A falta de sinalização somada a imprudência de motoristas e pedestres tem elevado o número de acidentes na Rua Hívio Naliato, no Cascatinha, devido a isso, moradores e empresários locais pedem medidas mais enérgicas por parte da Prefeitura como a instalação de redutores de velocidade que podem evitar novos casos de incidentes na região.

 

A Prefeitura havia informado que os materiais necessários para realizar os reparos na sinalização tinham o prazo de entrega até a última sexta-feira (14), porém até o momento, não ocorreram serviços na região.

O aposentado José Luiz Marque Monteiro mora e trabalha na beira da rua e explicou que vem notando que nos últimos anos aumentou o número de ocorrências na região, inclusive com vítimas fatais, por isso, teme pela segurança dos moradores e pedestres que passam na área.

- Essa rua está extremamente perigosa, infelizmente as pessoas tem dificuldades em atravessar, em especial o trecho próximo ao hospital-escola da FASE. Batidas aqui ocorrem com frequência, semana passada teve colisão de duas motos porque um dos motociclistas manobrou no meio da rua e o outro estava em alta velocidade – contou.

A precariedade da sinalização também acaba agravando a situação. Tanto as faixas laterais, centrais e de pedestres sofreram desgaste e necessitam de reparos.

- Com sinalização já é complicado e sem fica pior, atualmente estão velhas e apagadas e os motoristas acabam não respeitando. Sem contar que passam em alta velocidade em uma via de 30 km, os carros que vem da localidade do Humberto Rovigatti sofrem quando precisam acessar a via principal, quase sempre acontece alguma batida. Aqui perto tem uma clínica de atendimento a idosos, fico preocupado pois eles tem dificuldades para atravessar, um senhor de idade foi atropelado e morto há uns anos atrás, tenho receio pela segurança da minha família e dos outras pessoas – disse.

O aposentado explica que somente com a instalação dos redutores de velocidade que a segurança retornará a região. Ele fez solicitações à CPTrans há alguns meses, mas ainda não obteve resposta se alguma medida será tomada.

- Acredito que com a instalação de redutores a situação melhore, principalmente por causa das motos que costumam andar pelo corredor entre os carros. Venho fazendo pedidos há três anos e em março fiz uma nova solicitação, espero que isso amenize, senão só um semáforo deverá resolver – falou.

Retirada de ponto de ônibus

José Luiz acredita que um ponto de ônibus localizado próximo à subida da Rua Humberto Rovigatti também favorece para o caos no trânsito da área que até ali é em mão-dupla.

- O ponto sempre existiu, mas no mês passado a prefeitura veio e colocou uma placa ali e toda vez que o ônibus daquela rua vai subir tem que esperar um tempo se um carro estiver descendo, e com todos os ônibus parando naquele ponto só aumenta o trânsito nessa região que até nesse trecho é em mão-dupla – disse.

Veículos estacionados irregularmente

Outro fator que tem causado transtornos na área, é a questão dos carros parados em cima das calçadas que atrapalham a passagem dos demais veículos. A auxiliar de serviços gerais Rose Márcia Vargas mora na região e relatou que devido a isso, as viagens de ônibus acabam sendo prejudicadas com o aumento e atrasos tanto na ida como na volta do trabalho.

- Passo por ali todos os dias e tanto de manhã quanto no fim da tarde é um inferno o trânsito, os carros ficam parados em cima da calçada, tem morador que fica com preguiça de ir manobrar em um lugar com mais espaço e manobra ali mesmo – contou.

Rose acrescenta que além dos carros de moradores, veículos de clientes de uma oficina mecânica instalada na região também costumar ocupar a calçada.

- Sempre tem carros parados em frente a oficina, tem dias que são tantos que os motoristas chegam a parar na calçada e no canto da rua mesmo sem se preocupar com as demais pessoas. Está faltando é mais fiscalização, tenho certeza que se a CPTrans vier aqui um dia e aplicar multas, dificilmente no outro dia estarão ali parados e deveria também instalar placas sinalizando que é proibido parar nos dois lados da pista – disse.

Entulhos espalhado nas calçadas

Vários materiais são despejados ao lado das lixeiras localizadas em frente ao Condomínio Sérgio Fadel e próximo ao ponto de ônibus. Com a sujeira ocupando a calçada, os pedestres são forçados a andar na beira da rua dividindo o espaço com os carros.

- Infelizmente algumas pessoas não veem que os entulhos só atrapalham, e com a demora na recolha os lixos acabam atraindo ratos para perto de nossas casas – falou o morador.

Questionamos a prefeitura, mas não obtivemos respostas até a conclusão da matéria.

 



Edição anterior (1409):
quarta-feira, 19 de setembro de 2018
Ed. 1409:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1409): quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Ed.1409:

Compartilhe:

Voltar: