Edição anterior (2332):
terça-feira, 30 de março de 2021
Ed. 2332:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2332): terça-feira, 30 de março de 2021

Ed.2332:

Compartilhe:

Voltar:


  Artigos

Colocando  Petrópolis nos trilhos

Antonio Pastori (*)

Na semana passada conquistamos uma grande vitória ao evitar que cinco antigos carros de passageiros do Trem do Corcovado fossem a leilão e corressem o risco de serem transformados em sucata. Decidiu-se que esses trens serão cedidos pelo ICMBio, proprietário dos trens, para o Governo do Estado dar o destino final. A princípio, várias cidades fluminenses manifestaram interesse neles, mas somente para ficarem estáticos, expostos em praça pública como atração turística.

A vitória se estende também em benefício da preservação da memória ferroviária e da probabilidade de podermos utilizar esses trens para melhorar a nossa mobilidade e restabelecer a ligação ferroviária entre as Cidades Maravilhosa e Imperial. Existem boas razões para preservação desse material rodante ferroviário e trazê-lo para Petrópolis:

Primeiro, por motivo Histórico: o Brasão da Cidade está ladeado por trilhos, em alusão à 1a. Ferrovia do Brasil, cujo pomposo nome era Estrada de Ferro de Petrópolis da Imperial Companhia de Navegação a Vapor, inaugurada por Dom Pedro II em 30 de abril de 1854, por inciativa de um ilustre morador da Cidade de Pedro, o Barão de Mauá. Em 1964 a linha foi estupidamente erradicada e que falta nos faz até hoje.

Segundo, como raridade ferroviária: tratam-se de trens elétricos a cremalheira construídos na Suíça nos anos 1970 que nunca sofreram um único acidente. Além disso, transportaram figuras ilustres até a estátua do Redentor, como o Papa João Paulo II, a Princesa Diana e muitos outros.

Terceiro, o aspecto financeiro: esses raros e valiosos trens podem vir para Petrópolis cumprir o nobre destino de tracionar o Trem Expresso Imperial, cujo projeto ainda se encontra no papel. A importação de um novo conjunto desses trens pode ultrapassar a cifra de cem milhões de reais.

E, a razão mais importante: contribuir para melhoria da mobilidade, pois não podemos mais continuar reféns da BR-040, nossa principal porta de entrada e saída. Importante lembrar que - para variar - há poucos dias teve mais um acidente que fechou a subida da serra por algumas preciosas horas.

Para solucionar esses graves e infindáveis problemas da BR-040, desenvolvemos o projeto conceitual do Trem Expresso Imperial, cujos investimentos necessários à sua implantação são relativamente baixos. Somos favoráveis que sua construção e operação se dê pela iniciativa privada, mas sob a liderança do Governo do Estado em parceria com a Prefeitura de Petrópolis e outras.

O grande atrativo técnico-financeiro para restabelecer a ligação Petrópolis ao Rio é que basta reinstalar somente 7 (sete) km de trilhos na Serra da Estrela, entre o Alto da Serra de Petrópolis (km 56) e Vila Inhomirim (km 49), em Magé. Desse ponto em diante, o nosso trem chegará até o Centro do Rio (km 0) pela linha operada pela Supervia em menos de duas horas. Aliás - pasmem! – esse era o mesmo tempo que durava a viagem Petrópolis ao Rio na época do Imperador. Hoje, uma viagem de carro ou ônibus na hora do rush, dura mais de duas horas. Evoluímos na mobilidade urbana?

Outra vantagem é que ao desembarcar na estação Central da Supervia o passageiro tem à sua disposição uma grande oferta de modais com conexão imediata com o Metrô, permitindo deslocar-se rapidamente para as Zonas Norte, Sul e Oeste; ou embarcar no VLT Carioca até a estação das Barcas ou até o Aeroporto Santos Dumont.

Portanto, sugerimos ao Prefeito Hingo Hammes que juntamente com a Câmara de Vereadores, o Trade Turístico local e demais lideranças petropolitanas, unam esforços pró-mobilidade para solicitar a cessão desses cinco trens ao Governo do Estado, imediatamente! Se não fizermos isso logo vamos ficar na saudade e perder uma oportunidade única de melhorar a nossa mobilidade. Urge irmos à luta pró-Petrópolis clamando o seu lema: Buscando Sempre o Mais Alto.

Para fixar, vale a pena repetir o maior atrativo do Expresso Imperial: reinstalando apenas 7 km de trilhos na Serra da Estrela podemos nos ligar, pelo modo ferroviário ao Centro do Rio de Janeiro de forma rápida, segura e confortável em menos de duas horas e, de quebra, trazer muitos mais turistas para nossa Cidade.

(*) Mestre em Economia Empresarial e Pós-graduado em Engenharia Ferroviária.

Contato: antonio.pastori53@gmail.com     WhatsApp: (21) 99911-8365



Edição anterior (2332):
terça-feira, 30 de março de 2021
Ed. 2332:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2332): terça-feira, 30 de março de 2021

Ed.2332:

Compartilhe:

Voltar: