Edição anterior (2453):
quinta-feira, 29 de julho de 2021
Ed. 2453:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2453): quinta-feira, 29 de julho de 2021

Ed.2453:

Compartilhe:

Voltar:


  VACINA

Boletim da Fiocruz traz benefícios da vacinação contra covid

Instituição aponta para redução de internações e mortes, mas alerta que a pandemia ainda não acabou

 

Wellington Daniel

Em novo boletim do Observatório Covid-19, divulgado na terça-feira (27), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que a vacinação já começa a dar resultados na diminuição de internações e mortes. De acordo com os pesquisadores, “a vacinação inicial de grupos mais vulneráveis a manifestações graves da doença foi uma decisão acertada e explica os resultados que estão sendo observados”.

Em Petrópolis, julho tinha, até o dia 27, as menores taxas de internação e mortes registradas em 2021. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, foram 44 mortes confirmadas em 25 dias, o que dá uma média diária de 1,76. Em junho, foram 94 mortes em 30 dias, uma média de 3,13.

A média de internações também está, pela primeira vez desde novembro, abaixo de 100. Segundo a SMS, foram 98, seja em leitos clínicos ou de UTI. Em junho, foram 155 pacientes, o que representa uma diminuição de 36,77% de um mês para o outro. Ainda assim, se mantém acima do registrado em julho do ano passado, quando foram 73.

Em todo o Brasil, a Fiocruz afirma no boletim que houve uma pequena redução no número de mortes na última semana, mas um aumento dos casos confirmados. Além disso, faz a ressalva que a taxa de positividade continua alta, apesar de uma tendência de queda. Apenas duas unidades federativas apresentam taxas críticas de internações.

“Os dados aqui apresentados endossam a percepção de um cenário em que a pandemia está sendo gradativamente controlada pelo avanço da vacinação, ainda que grande parte das pessoas já vacinadas receberam, por enquanto, somente a primeira dose”, explicaram os pesquisadores.

O boletim também afirma que, até o momento, as pesquisas indicam que indivíduos totalmente imunizados estão protegidos para a variante Delta. Porém, os pesquisadores alertam que a pandemia ainda não chegou ao fim e a incidência de casos e óbitos ainda são elevados e não devem ser naturalizados.

“A variante Delta, mais transmissível, expõe a população à possibilidade de grande elevação de casos, sendo sempre importante destacar que as vacinas disponíveis apresentam limites em relação ao bloqueio da transmissão do vírus, que continua circulando com intensidade. As vacinas são especialmente efetivas na prevenção de casos graves. Em diferentes países, o adoecimento por covid-19 tem ocorrido mais frequentemente entre pessoas não vacinadas, mas é também expressiva a proporção de casos em pessoas que receberam o esquema vacinal completo, em geral, com formas mais leves”, afirmam.

Enquanto a cobertura vacinal não atinge mais de 80% da população elegível com o número de doses adequado conforme a vacina administrada, o alerta é que as medidas não farmacológicas são importantes. São elas: usar máscara, preservar o distanciamento físico, evitar aglomerações e fazer a higiene frequente das mãos.



Edição anterior (2453):
quinta-feira, 29 de julho de 2021
Ed. 2453:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2453): quinta-feira, 29 de julho de 2021

Ed.2453:

Compartilhe:

Voltar: