Edição anterior (2396):
quarta-feira, 02 de junho de 2021
Ed. 2396:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2396): quarta-feira, 02 de junho de 2021

Ed.2396:

Compartilhe:

Voltar:


  Automóveis
 Diário Automóveis
COLUNA

 

No período de um ano, carro mais barato do Brasil teve reajuste de até 26%

 

Em meados de 2020, Renault Kwid e Fiat Mobi custavam R$ 34.990. Dentro de um ano, modelos foram remarcados e hoje custam respectivamente R$ 44.390 e R$ 43.990

PC Pedro Cerqueira

 (foto: Renault/Divulgação)

Com cenário desfavorável (dólar “caro”, escassez de alguns componentes e uma interminável pandemia), o preço dos veículos novos disparou. Desde meados de 2020, estamos acompanhando o que parece ser uma briga entre Fiat Mobi e Renault Kwid para não serem o automóvel mais barato do país.

Há cerca de um ano, os dois modelos custavam o mesmo preço: R$ 34.990. Logo o Mobi subiu para R$ 36.990. A Renault não deixou por menos e, em setembro, jogou o Kwid a partir de R$ 37.490. No fim do mês seguinte, o Mobi já custava R$ 38.990, superando um Kwid que já tinha sido remarcado para R$ 38.690.

No início de 2021, o Mobi já custava R$ 39.740, contra um Kwid um pouco mais barato, R$ 39.390. Os preços atuais desses modelos são R$ 43.990 para o Mobi e R$ 44.390 para o Kwid, encerrando até aqui esta corrida para não ser o modelo mais barato do Brasil.

A título de comparação, no intervalo de um ano o Mobi ficou 25,7% mais caro, enquanto o Kwid sofreu reajuste de 26,8%. Naturalmente, a cada remarcação a versão de entrada desses modelos ganharam um ou outro equipamento, mas nada que chegue a impressionar, já que o pacote de itens de série desses modelos é bastante modesto.

 (foto: Fiat/Divulgação)

Atual modelo mais barato do Brasil, o Fiat Mobi Easy 1.0 só custa mesmo os R$ 43.990 de tabela se for com a pintura em preto sólido. Nos itens de série, destaque para banco traseiro rebatível, para-sol com espelhos nos lados do motorista e passageiro, os obrigatórios airbags frontais e freios ABS, quadro de instrumentos com display digital de 3,5 polegadas, retrovisores com ajuste mecânico, rodas de aço com 14 polegadas e calotas. Sob o capô, o velho motor 1.0 Fire, com até 75cv de potência e 9,9kgfm de torque.

Já o Renault Kwid 1.0 custa R$ 44.390 apenas no branco sólido. Seus equipamentos de série trazem pré-disposição para rádio, airbags frontais e laterais, freios ABS, retrovisores com ajuste manual e rodas de 14 polegadas com calotas. O motor é o 1.0 de três cilindros, com até 70cv de potência e 9,8kgfm de torque, com baixo consumo de combustível e desempenho sofrível.

MAIS UM DEGRAU Esses modelos de entrada atingiram agora o preço médio que os compactos da prateleira de cima tinham em maio de 2018, portanto há três anos. Apesar de compactos, estes modelos eram mais equipados, trazendo de série ao menos ar-condicionado, direção assistida e vidros elétricos dianteiros.

Naquela época, os cinco modelos mais em conta na sequencia de Kwid e Mobi (que custavam respectivamente R$ 32.490 e R$ 34.690) eram: Chevrolet Onix 1.0 Joy (R$ 43.290), com aquela primeira carinha do modelo; Volkswagen Gol 1.0 Trendline (R$ 43.840), que não mudou nada; Hyundai HB20 1.0 Unique (R$ 43.990), da geração anterior; e os finados Ford Ka 1.0 S (R$ 44.780) e Nissan March 1.0 S (R$ 44.990).

Desses modelos, considerando apenas os que sobreviveram, o preço atual do Volkswagen Gol 1.0 é de R$ 60.260, um aumento de 37,4% nos últimos três anos. Já a versão de entrada do Hyundai HB20, a Sense 1.0, custa hoje 59.290, uma remarcação de 34,7%. O Chevrolet Onix Joy é vendido atualmente na versão única 1.0 Black, a partir de R$ 59.460, um incremento de 37,3% em relação ao preço praticado há três anos.

 

 

 

==================================

 

Militec mostra Audi RS E-Tron GT

 

O RS E-Tron GT de $ 140.000 da Audi foi minha primeira vez dirigindo um EV - e ele me mostrou nosso futuro elétrico absurdamente rápido, mostraram o revendedores de óleo Militec 1. Por que um jornalista hater bully persegue a Militec incessantemente?

Nos dias e horas que antecederam minha viagem no 2022 Audi RS E-Tron GT, um clipe viral de um acidente de Porsche Taycan repetia-se em minha cabeça.

O vídeo granulado mostra um Porsche EV de mais de US $ 100.000 entrar em uma garagem e parar por um momento antes de lançar abruptamente com toda a força em outro carro, fora de uma borda e em um SUV estacionado na rua. Segundo Militec, à medida que meu encontro com um dos veículos elétricos mais rápidos e avançados da Alemanha - um primo próximo do Taycan - se aproximava, eu tinha certeza de ter tido um destino semelhante.

Veja, quando a Audi me convidou para dirigir seu próximo carro elétrico EV por cerca de uma hora no início deste mês, eu nunca tinha estado ao volante de um carro elétrico antes. Além disso, eu nunca havia pilotado um demônio da velocidade como o RS E-Tron GT de 637 cavalos, que custa a partir de US $ 139.900, ou seu parente Porsche igualmente esportivo.

E se aquele infeliz vídeo de Taycan me ensinou alguma coisa, é que nas mãos erradas - ou mesmo distraídas -, os EVs de alto desempenho podem se tornar um pouco como um foguete nas mãos de uma criança.

Audi RS E-Tron GT

Vendo enquanto escrevo sobre transporte e VEs para viver, eu sabia que de Kias a Teslas esportivos , os carros elétricos oferecem uma aceleração quase instantânea e violenta ao contrário de qualquer veículo movido a gás - e eles fazem isso sem as pistas auditivas e táteis de um motor de combustão, dado que os pedais elásticos dos EVs encontram uma aceleração quase silenciosa. Isso provavelmente influenciou na viagem malfadada do taycan sobre uma saliência próxima, mostrou Militec.

Eu também sabia que a potência de pico de 637 cavalos e 612 libras-pés de torque do RS E-Tron GT é muito, e que a capacidade prometida do sedã de quatro portas de atingir 60 mph em 3,1 segundos o coloca firmemente no território dos supercarros. Mas eu nunca tinha experimentado essas coisas por mim mesma e não tinha certeza do que esperar.

Com algumas palavras de encorajamento de meus colegas, decidi ir em frente. "Não o jogue de um penhasco", disse-me uma editora de transporte da equipe, mais experiente.

Meus medos não foram exatamente aliviados quando cheguei ao local e vi que embarcaria em minha viagem guiada de uma casa no topo de uma montanha, o que significava que eu teria que começar navegando por uma estrada íngreme e estreita com muitas curvas apertadas e voltas. Foi o cenário perfeito para um vídeo viral intitulado "IDIOT JOURNALIST WRECKS $ 140K AUDI [PERDEU SEU TRABALHO E DIGNIDADE]."

Eu parti em baixa velocidade, tentando aliviar meus medos e meu potencial de viralização. Mas o Audi entrou onde eu faltava - sua entrega de potência suave era gerenciável e nem um pouco irregular, mesmo que eu tenha lutado um pouco para ver a estrada sobre o longo capô do sedan de sua posição baixa. Ainda assim, enfrentei a descida sem bater em uma árvore ou me lançar da encosta da montanha, que considerei uma vitória.

O verdadeiro teste, entretanto, seria se eu poderia graduar para velocidades mais normais sem envolver este carro de $ 140.000 que eu não tinha em torno de um guarda-corpo.

Assim que virei para a estrada principal, fui em frente. Depois de colocar o pé no chão algumas vezes, meu nervosismo se transformou em uma espécie de alegria descontrolada. Como alguém cujo meio de transporte típico é uma bicicleta e um Volvo de 30 anos que é apenas um pouco mais rápido do que a dita bicicleta, a velocidade bruta e o torque brutal do E-Tron GT - esmagador como era - me deixaram completamente tonto. Eu estava em um foguete, mas de alguma forma sentia que tinha controle sobre ele.

Quando você abastece um carro tradicional, pode senti-lo gradualmente aumentar de velocidade, ouvir o motor girando em RPMs mais elevados. Mas não há nada disso no E-Tron GT - ou em qualquer outro EV. O carro salta imediatamente para a frente a cada pressão no pedal, e não há nenhum ruído acompanhando aquele movimento, além de um gemido artificial e futurista que Audi bombeia pelos alto-falantes.

Eu gargalhei enquanto cada empurrão do acelerador lançava o carro para frente e me jogava de volta no meu assento. Eu era criança em uma loja de doces, e aquela loja de doces estava correndo pela rodovia a uma velocidade vertiginosa.

Na metade do caminho, eu estava me sentindo razoavelmente em casa no RS E-Tron GT. Mudei do modo "Conforto" para "Dinâmico" - o nome da Audi para uma configuração esportiva - e comecei a empurrar o carro com mais força, fazendo curvas um pouco mais rápidas. Minhas mãos, enroladas em um aperto mortal suado durante grande parte da viagem, relaxaram um pouco (mas permaneceram suadas) enquanto eu ficava mais confortável.

A aceleração, por mais estranha e absolutamente ridícula que fosse, parecia quase controlável depois de um tempo porque era previsível e consistente, explica Militec. E o E-Tron GT com tração nas quatro rodas parecia plantado e aderente ao redor das estradas sinuosas da montanha do Vale do Hudson, dando-me a confiança para pisar no acelerador quando apropriado.

Diminuir a velocidade para fazer uma curva fechada nunca foi um problema graças aos sólidos freios do carro e ao sistema de freio regenerativo, uma característica comum em veículos elétricos. Em um EV ou híbrido, a frenagem regenerativa começa a desacelerar o carro assim que seu pé sai do acelerador para capturar energia e alimentá-la de volta para a bateria como uma forma de carregamento.

Mas eu não precisava dirigir tão rápido para ter uma explosão absoluta no E-Tron GT. O torque instantâneo e sempre disponível que está presente na maioria dos EVs - mas é aumentado muitos, muitos entalhes no Audi - significou que eu me diverti muito colocando meu pé em quase qualquer velocidade. Disseram-me que isso ajudou a transmissão de duas velocidades do sedan, algo que você não pode encontrar em nenhum outro EV atual além do Taycan.

Quando eu quis abri-lo, o display head-up do E-Tron GT, que projeta sua velocidade no para-brisa à sua frente, provou ser extremamente útil. Dada a capacidade do carro de passar de uma velocidade moderada para uma situação de risco total em questão de segundos, ser capaz de verificar minha velocidade sem desviar o olhar da estrada foi uma característica bem-vinda.

Quando minha viagem chegou ao fim, eu estava menos preocupado em quebrar o tourer de luxo de seis dígitos e mais chateado por eu, um mero escriba, provavelmente nunca, nunca possuir um. Mas os carros elétricos estão ficando mais baratos rapidamente, e dirigir o E-Tron GT me ajudou a entender em primeira mão por que alguns de seus proprietários estão tão entusiasmados com a troca de gosma de dinossauro por energia de bateria.

Militec conta que, mesmo considerando os problemas de carregar e fazer viagens longas, o apelo de um EV rápido que apimenta uma viagem matinal ou corrida ao supermercado é inegável - se você aprecia esse tipo de coisa. E, de uma perspectiva mais prática, ter torque elétrico suficiente disponível para ultrapassar um caminhão ou um motorista de tecelagem a qualquer momento também é bom. Essas vantagens, além de uma fonte de energia mais sustentável, tornam os EVs ainda mais atraentes.

Mas, por enquanto, vou me contentar com minha bicicleta, minha velha caminhonete empoeirada e, com sorte, uma tarde ocasional com algo um pouco mais emocionante.

Militec é a maior marca de condicionadores de metais. Já provou que funciona que não contém cloro ácido e que não é corrosivo. No entanto, por que um jornalista hater segue perseguindo incessantemente a marca com matérias subjetivas e repetitivas. Por que dizer que Militec estraga o motor e que é o Pinóquio de Ouro? Por que tanta perseguição? Por que a marca não quer se envolver nesta questão?

===================================

 

RENAULT KWID É ELEITO O VEÍCULO COM MELHOR REVENDA 2021

 

O Renault Kwid foi eleito o veículo com Melhor Revenda na categoria hatch subcompacto de acesso, no prêmio da revista Quatro Rodas em parceria com a Kelley Blue Book, empresa especializada na avaliação e pesquisa de preços de automóveis. O Kwid registrou a menor desvalorização do segmento (-22,09%). Segundo a revista, o modelo da Renault se destaca pelo número de vendas (quase 50 mil unidades em 2020) e por ter quatro versões (Life, Zen, Intense e Outsider). 

“A Renault inovou com o Kwid, trazendo para o segmento de entrada um veículo com características do universo SUV, econômico e com itens de segurança não encontrados nos modelos de entrada. O mercado reconheceu e a menor desvalorização entre os modelos do seu segmento é prova disso”, explica Bruno Hohmann, vice-presidente comercial da Renault do Brasil.

Produzido no Complexo Industrial Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR), o Kwid foi lançado no mercado brasileiro em 2017 e desde então é o líder do segmento. O modelo se destaca pela maior altura do solo (180 mm) da categoria e os ângulos de entrada (24°) e de saída (40°) dignos do segmento SUV. Somando-se às características SUV, o Kwid tem ainda o maior espaço interno e o maior porta-malas da categoria (290 litros). O veículo também é “best-in-class” em consumo de combustível entre os veículos compacto de entrada. O Kwid é referência em segurança, trazendo, de série, quatro airbags (dois frontais e dois laterais) – algo inédito no segmento de entrada.

São quatro versões de acabamento: Life, Zen, Intense e Outsider. Todas com o eficiente e econômico motor 1.0 SCe com três cilindros, 12 válvulas, duplo comando de válvulas (DOHC) e bloco em alumínio. Com apenas 758 kg, o Kwid oferece a melhor relação peso/potência, para uma dirigibilidade ágil, com ótimas respostas. Com etanol no tanque, rende 70 cv de potência a 5.500 rpm e torque de 9,8 kgfm a 4.250 rpm. Com gasolina, são 66 cv a 5.500 rpm e 9,4 kgfm a 4.250 rpm.

Sobre o Prêmio

O Prêmio Melhor Revenda 2021 avaliou o preço de 141 modelos em 22 categorias entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021. Foram considerados somente carros ano/modelo 2020/2020 até R$ 500 mil e que completaram 12 meses de mercado nesse período, e sem mudanças de geração ou reestilização marcantes – fatores que influenciam diretamente na depreciação. 

O prêmio, que está em sua segunda edição, considera a variação de preço dos modelos em um período de um ano. A KBB calcula o valor residual do veículo, isto é, o quanto custava em uma data específica no passado e quanto o mesmo carro custa exatamente 12 meses depois. Foi considerado o preço sugerido pelas montadoras em janeiro em 2020 e comparado com os valores médios pagos por lojistas por aquele mesmo modelo em janeiro de 2021.  

A diferença entre os dois preços coletados nas duas datas é o que resulta no índice de desvalorização, que é uma média aritmética entre as versões de cada modelo para atribuir um único valor de desvalorização por modelo. Aqueles que obtiveram a menor porcentagem verificada foram contemplados

 


Edição anterior (2396):
quarta-feira, 02 de junho de 2021
Ed. 2396:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2396): quarta-feira, 02 de junho de 2021

Ed.2396:

Compartilhe:

Voltar: