Edição anterior (2364):
sábado, 01 de maio de 2021
Ed. 2364:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2364): sábado, 01 de maio de 2021

Ed.2364:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Fernando Costa
COLUNISTA

 

 

O homem e a política

Não podemos nos esconder sob  a redoma e nos refugiarmos. Esse convívio perdura desde o início da história da humanidade e dificilmente conseguiremos outra forma de nos organizarmos em comunidade.  Depois do jantar e de uma passagem pelos telejornais, rezamos e nos recolhemos. Ao despertarmos durante o café da manhã ela, a política está a nos acompanhar. Quando se leva a criança ao colégio ou se dirige  ao médico para as consultas de rotina ela está conosco. Se o tema é moradia, educação, emprego, salário, vestuário, preço dos alimentos e eletrodomésticos a política está inserida. Há dias numa das luminosas alocuções do Papa Francisco ele falava que a política é “um canal para a caridade” porque através dela se exercida com seriedade, com certeza, se erradica a miséria, a fome, a desigualdade social e a corrupção.  Aristóteles, Platão e Sócrates (469 a.C) já delineavam a forma social, antropológica e política da coletividade. Está comprovado que ela não é enfadonha e nem obsoleta, mas sim, talvez o modelo que ela adota que muita das vezes vai à contramão da democracia que desde os tempos de faculdade aprendemos e aqui a definimos em linguajar perfunctório de que “é o governo do povo, para o povo e pelo bem do povo.” Pena que por deficiência de sua aplicação muitos  são privilegiados, sobretudo a classe favorecida  e, a grande maioria relegada aos becos e sarjetas sem clemência  nem  piedade. Fala-se em inclusão social... Maria Santíssima ao proclamar o “Magnificat” inscrito no Evangelho de Lucas, Cap. 1, Vers. 52-53 nos diz da “...deposição dos poderosos de seus tronos e da exaltação dos humildes. Cumulou de bens a famintos e despediu ricos de mãos vazias...”  Por isso Ele, o Salvador da Humanidade morreu, quer dizer o mataram e morte de cruz. À época anunciar o reino de Deus em pleno reinado de Cesar era para eles uma ousadia, por isso, optaram a que libertassem Barrabás e crucificasse Jesus para eles traidor e baderneiro. Diversos luminares da espiritualidade há milênios  primaram pela política e ética em seus atos e ações. Buda enxergou o sofrimento nas faces esmaecidas de seu povo e com ele sofreu e indignou-se. Santo Tomás de Aquino primava pelo bem comum, em especial, “a lei natural, a preservação da vida, educação e o desejo da verdade.” Por isso mesmo precisamos cautela e bom senso. Ela não pode ser entregue em falsas mãos daquele que não consegue enxergar outra coisa senão o que lhe interessa. A ação e a omissão também são formas de fazer política só que fechar os olhos ou cruzar os braços podem custar graves consequências. O que mais se ouve pela televisão nos quadrantes pátrios é o conhecido chavão “Qual é o Brasil que eu quero?” E o povo clama por justiça e igualdade de direitos e condições. Estamos vivendo um ano de eleição e o voto é a nossa arma principal. Cremos que em virtude das punições nas diversas áreas se reprima de certa forma essa violência ética e moral que assola o país, no entanto, uma grande camada ainda se deixará levar pela falácia do poder econômico a induzir a  eleger oportunistas porque se detecta a doença num órgão, mas, a metástase proliferou e  tomou conta da  Pátria. Política se exercida com dignidade e princípios morais é bela, mas, se não observa os princípios constitucionais de que “Todos são iguais perante a Lei” de nada adianta. Jesus Cristo ao nos ensinar o “Pai Nosso” pediu ao pai que “o Vosso reino viesse até nós”, “que não nos faltasse o pão nosso de cada dia”  e que “não nos deixasse cair em tentação e nos livrasse do mal”. Deixou claro  o desejo de igualdade entre os povos a que desfrutássemos da plenitude da “vida e em abundância” porque “Deus é amor” (João10,10 e 4,7). Mas isso não importa a alguns integrantes da camarilha.



Edição anterior (2364):
sábado, 01 de maio de 2021
Ed. 2364:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2364): sábado, 01 de maio de 2021

Ed.2364:

Compartilhe:

Voltar: