Edição anterior (2399):
sábado, 05 de junho de 2021
Ed. 2399:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2399): sábado, 05 de junho de 2021

Ed.2399:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Fernando Costa
COLUNISTA

 

 

Símbolos

O tempo se esvai. Durante a reclusão originada pela pandemia, haja ginástica, pesquisas, estudos, aprofundamentos, reflexões seja na seara religiosa,  profissional, literária, artística ou mesmo em afazeres domésticos. Nada de sedentarismo. O cérebro precisa estar em plenas condições. Se mantivermos o equilíbrio físico e mental é bem mais fácil enfrentarmos esses desafios atuais.   Neste diapasão, me veio à memória a leitura de dissertações dos mestres Philippe Ariès (História Social da Criança e da Família), Jurandir F. Costa (Ordem, Médica e Familiar) entre outros teóricos. Ajudaram-me a compreender a essência, a história e a memória e me reconduziram à infância. Em 1960 quando de meu exame à admissão ao ginásio do então Educandário Ruy Barbosa sediado à Rua Barão do Rio Branco, anos depois passou a denominar-se “Colégio Ruy Barbosa” e foi  transferido à Rua Quatorze de Dezembro em Três Rios, RJ, se vislumbrava um novo horizonte.  Mamãe e papai me cobriam de mimos, creio ante o privilégio de ser até àquela altura o sexto dos filhos e o único menino. Eles, além de me prepararem ao ingresso aos graus secundários e depois ao superior, cuidavam de  meus uniformes, pastas e materiais escolares. Obsequiaram-me com um relógio de pulso e aí me senti um adulto. Essas recordações são perpétuas. Elas deixaram marcas na vida em perfeita sintonia com a alma. Sempre atentos, compravam bolas de gude de todas as cores, sobretudo, no Natal, surpreendiam o infante com bolas de futebol, de couro, pois, o esporte era a “coqueluche” já àquela época. Os livros de história se armavam ao abrir suas páginas, e, também, “Fábulas dos Irmãos Grimm e La Fontaine”, dentre outros. Fizeram parte de minha infância. Lembro-me, de uma piorra colorida, o pião a zunir e os carrinhos de madeira. Mais tarde, papai, influenciado pela vida rural me trouxe um estojo com um revolver de brinquedo, é claro, para funcionar precisava  colocar espoletas...  O menino seria um “cowboy” tal qual John Wayne, Charles Bronson, Anthony Quinn, Kirk Douglas ou Henry Fonda. E os cadernos de desenho, caixas de lápis de cor, bombons, waffles e doces? Nossas professoras traziam para nos presentear ante as classificações escolares. Inesquecíveis. A guinada ao passado renova a esperança e se transforma em alegria e temperança. Elas acompanham a calvície e as  rugas herdadas pelos anos. Não causam dissabor, mas, privilégio de chegar até aqui. As feridas são prova de vida. Na fase  adulta escolhi como depositária de uma dessas preciosidades, o relógio de pulso. Minha irmã Marina dele cuidou e o conservou intacto. Um dia ela entendeu devolve-lo a mim, portanto, permanece em meu relicário. Igual sorte os anéis, um em formato de chapinha, e o segundo, o de formatura, oferecido em conjunto por meus pais e minha irmã Eremita por ocasião de minha formatura no curso técnico de contabilidade em 14 de dezembro de 1967 de cuja turma fora eu o orador. Partindo dessa premissa, entendo o episódio, origem da história da  senhora ao ganhar de seu descendente um simples fogareiro.  Decorridos alguns anos seu primogênito decidiu substitui-lo por um moderno, com certeza, tecnologia atual, no entanto, sua genitora se recusava a se desfazer do velho fogão á gás, fato a instigar os parentes e vizinhos. As pessoas desconheciam o presente ofertado pelo filho. Era o resultado de sua economia, trabalho suado para juntar a quantia necessária e realizar o desejo de sua progenitora. Esse objeto simbolizou o carinho e o amor do rebento. Para mim, sobretudo, o relógio presenteado por meus pais quando de minha ascensão ao ginasial marcou os minutos, as horas e os segundos daquele período escolar e da juventude, hoje, nem um Cartier, Rolex, Montblanc, Piaget ou Pierre Cardin substituiriam a história e a memória símbolo do amor de minha formatura. O anel, simples alegoria, mas, impregnada de respeito e  reverência à luta, obstinação e fé na certeza da realização de um ideal para além de adorno exterior e efêmero, deixou marca profunda,  indelével  e eterna.

 

 



Edição anterior (2399):
sábado, 05 de junho de 2021
Ed. 2399:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2399): sábado, 05 de junho de 2021

Ed.2399:

Compartilhe:

Voltar: