Edição anterior (2403):
quarta-feira, 09 de junho de 2021
Ed. 2403:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2403): quarta-feira, 09 de junho de 2021

Ed.2403:

Compartilhe:

Voltar:


  Geral

Junho acende o alerta sobre a soltura de balões

Prática é crime e pode aumentar o risco de queimadas durante o período de estiagem

Priscila Torquato- especial para o Diário/Foto – Alcir Aglio

 

Junho é um mês de alerta para os órgãos que combatem incêndios florestais. Tradicionalmente é o período de soltura de balões um ingrediente a mais na perigosa mistura de baixa umidade do ar e falta de chuvas. “Por voarem sem destino correto, somente sendo levados pelos ventos, os balões podem cair em qualquer lugar ou sobre qualquer coisa, podendo ferir pessoas, atingir redes elétricas, incendiar matas, entre outros.”, diz um alerta do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Moradores do Valparaíso informaram ao Diário que um balão foi avistado na localidade neste domingo (06.06) por volta das 20h. Mas não há informações sobre problemas ocasionados pelo objeto neste fim de semana. Segundo dados do Linha Verde, central que recebe denúncias sobre meio ambiente  do Disque Denúncia, o número de registros ainda é tímido. Nos últimos três anos na cidade, apenas 16 denúncias foram feitas ao órgão.  O alerta dos bombeiros explica porque o objeto é tão perigoso.

“Os balões são feitos da combinação de estopa com materiais inflamáveis (parafina e querosene ou álcool) aquecidos em seu interior. Por isso, dependendo de onde caírem, podem causar danos irreparáveis como incêndios e explosões. A situação se agrava durante o período de estiagem (maio a outubro), em razão das condições climáticas que criam condições favoráveis à propagação de incêndios, como as chuvas escassas e os ventos mais intensos.”

Em agosto de 2020 um incêndio florestal de grandes proporções foi registrado na área do Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso). Segundo as autoridades locais, teria começado depois da queda de um balão na região conhecida como Chapadão no Bonfim. Foram mais de 200 mil metros quadrados de área atingida.

De acordo com dados do Corpo de Bombeiros do Estado, em 2020, Petrópolis registrou 548 ocorrências de fogo em vegetação e até o dia 31 de maio deste ano foram 82 registros.

Soltar balão é crime. De acordo com o artigo 42 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.065 de fevereiro de 1998, a prática de soltar, fabricar, vender ou transportar balões é crime. Quem for pego praticando alguma dessas atividades pode ser penalizado com detenção, estando sujeito também a pagamento de multa por balão apreendido.

 



Edição anterior (2403):
quarta-feira, 09 de junho de 2021
Ed. 2403:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2403): quarta-feira, 09 de junho de 2021

Ed.2403:

Compartilhe:

Voltar: