Edição anterior (2502):
terça-feira, 14 de setembro de 2021
Ed. 2502:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2502): terça-feira, 14 de setembro de 2021

Ed.2502:

Compartilhe:

Voltar:


  Energia

Lei da inscrição automática em Tarifa Social de Energia é sancionada

Petrópolis tem mais de 7,5 mil cadastros ativos

 

Foto: Fernando Frazão - Agência Brasil

Priscila Torquato – especial para o Diário*

O Diário Oficial da União (DOU) publicou nesta segunda-feira (13) a lei que prevê a inscrição automática de famílias de baixa renda como beneficiárias da Tarifa Social de Energia Elétrica, programa que visa aliviar a conta de luz dos mais pobres. A Lei 14.203/2021 foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro após ter sido aprovada em definitivo pela Câmara dos Deputados no final do mês de agosto. A nova regra entrará em vigor em janeiro de 2022, 120 dias depois de publicada no DOU. Em Petrópolis até agosto, 7.800 famílias estão cadastradas nessa modalidade, segundo dados da Enel, concessionária de energia elétrica que atua na cidade.

Com a nova legislação, o Poder Executivo, concessionárias, permissionárias e autorizadas de serviço público de distribuição de energia elétrica ficam obrigados a inscrever automaticamente na Tarifa Social de Energia Elétrica os integrantes do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) que atendam aos critérios legais.

A Tarifa Social é um programa que oferece descontos de até 65% nas contas de energia, dependendo da faixa de consumo. Têm direito ao benefício famílias inscritas no CadÚnico, com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo, ou que recebam o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

A política foi criada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2002 e beneficia atualmente cerca de 11 milhões de pessoas. A estimativa, contudo, é que um número considerável de pessoas que têm direito não gozam do benefício.

Entre as justificativas para que o cadastro no benefício seja automático está a “constatação de que os potenciais beneficiários não estariam sendo informados de forma adequada de seu direito ou não estariam sendo capazes de apresentar toda a documentação exigida para a comprovação, sendo excluídos do referido benefício, ainda que enquadrados nos requisitos”, disse a Secretaria-Geral da Presidência da República, em nota.

* Com informações da Agência Brasil

 



Edição anterior (2502):
terça-feira, 14 de setembro de 2021
Ed. 2502:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2502): terça-feira, 14 de setembro de 2021

Ed.2502:

Compartilhe:

Voltar: