Edição anterior (2624):
sexta-feira, 14 de janeiro de 2022
Ed. 2624:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2624): sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Ed.2624:

Compartilhe:

Voltar:


  Criminalidade

Mulher acusada de cometer dois homicídios é presa pela Polícia Civil no Alto da Serra

 


 

Wesley Fernandes – especial para o Diário

Uma ex-funcionária do Posto de Saúde Família (PSF) da Mosela foi presa pelo crime de homicídio qualificado. Ela é acusada de matar uma colega de trabalho e o ex-companheiro, além de tentar assassinar outro homem, com quem também manteve um relacionamento. A suspeita foi detida por policiais civis da 105ª Delegacia de Polícia, na região do Alto da Serra, nesta quarta-feira (12), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Segundo a polícia, todas as vítimas morreram pelo excesso da ingestão de remédios e tranquilizantes que eram dados pela mulher, com o objetivo de furtar dinheiro e cartões. Em 2021, os crimes contra a vida aumentaram cerca de 23% na Cidade Imperial.

Os assassinatos ocorreram em 2014 e, desde então, as investigações foram lideradas pelo delegado André Prates Fraga, com o apoio do titular da 105ª DP, João Valentim. Diante dos fatos e provas recolhidas pelas autoridades, ficou comprovado que a mulher, na época em que trabalhava no PSF da Mosela, fez sua primeira vítima – o ex-companheiro, de 64 anos, com quem teve uma filha e se relacionou durante cinco anos. “Ele morreu após alguns episódios de internação em unidades de saúde de Petrópolis. Após o óbito suspeito, foi constatado que havia presença da quetiapina em suas vísceras, substância usada no tratamento de esquizofrenia e bipolaridade, entre outros”, destacou o delegado João Valentim.

A segunda vítima, uma colega de trabalho da acusada, morreu em novembro de 2014 depois de sofrer um mal súbito. Ela foi encontrada desacordada no Terminal Rodoviário Imperatriz Leopoldina, no Centro de Petrópolis. Na ocasião, a mulher perdeu a consciência após beber um suco oferecido pela suspeita.

A acusada ainda tentou matar uma terceira pessoa: um homem com quem também teve um relacionamento amoroso. Neste caso, no entanto, a vítima sobreviveu ao ataque ocorrido em agosto de 2019. “Ele deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Centro desacordado e em estado grave. Segundo as investigações, o médico que o atendeu relatou a uma amiga que o homem tinha feito grande ingestão de algum medicamento tranquilizante”, disse o delegado titular da 105ª DP.

Durante o cumprimento ao mandado de prisão preventiva, a Polícia Civil recolheu na casa da acusada receituários falsificados e medicamentos compatíveis com as substâncias encontradas nas vísceras das vítimas.

Homicídios crescem 23%

Dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP-RJ) mostram que Petrópolis registrou o aumento de 23% nos crimes contra a vida, os homicídios, durante o ano passado. Esse índice é baseado nos boletins de ocorrência feitos nas duas delegacias da Cidade Imperial – 105ª DP (Retiro) e 106ª DP (Itaipava). Entre janeiro e novembro, foram 27 ocorrências pelo crime de homicídio, enquanto no mesmo período de 2020, foram 22. Já em novembro, não houve registro deste crime em Petrópolis.

 



Edição anterior (2624):
sexta-feira, 14 de janeiro de 2022
Ed. 2624:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2624): sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Ed.2624:

Compartilhe:

Voltar: