Edição anterior (2828):
sexta-feira, 05 de agosto de 2022
Ed. 2828:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2828): sexta-feira, 05 de agosto de 2022

Ed.2828:

Compartilhe:

Voltar:


  Mais Direito

Psicóloga comenta sobre os desafios da paternidade solo

É necessário estimular a paternidade assim como a maternidade é estimulada


 
Foto: Arquivo Pessoal

Roberto Jones – especial para o Diário

No Brasil, o modelo de criação de crianças solo é exercido, na maioria das vezes, por mulheres. Apesar do número de mães solos ser, de longe, maior que o de pais solos, estes homens também precisam enfrentar desafios na criação dos filhos sem o auxílio de um conjugue. O machismo intrínseco da sociedade sempre preparou as mulheres para serem mães desde criança, enquanto que o homem deveria assumir apenas o papel de provedor. A psicóloga Claudia Melo explica que, apesar dessa influência do machismo, os desafios da paternidade solo são, em suma, os mesmos da maternidade solo.

Dentre as dificuldades apontadas por ela estão: precisar de uma rede de apoio, estar sempre em contato com a criança e perceber as necessidades reais dela, criar um vínculo para que ela se sinta segura e tenha espaço para falar. “E é importante sempre se colocar no lugar de pai, e não assumir uma outra condição. É comum que mães solos digam que são mãe e pai ao mesmo tempo, mas não, não precisa fazer também o papel do outro. Ser mãe ou ser pai já é uma condição muito séria e importante por si só. A criança não está buscando essa dualidade, mas sim uma figura, nesse caso, uma figura paterna”, acrescentou.

Estimulo da paternidade

Claudia aponta que, há não tanto tempo, os homens não tinham a possibilidade de cuidar dos filhos, de se ausentar do trabalho para ir a uma reunião ou de trocar uma fralda, por exemplo, já que isso era visto como papel exclusivo da mulher. “Atualmente estamos percebendo o quanto os homens são capazes de assumir esse lugar e dar vazão a paternidade sem precisar de uma companheira para dar esse suporte de cuidar dos filhos, porque eles conseguem desenvolver essa função para os filhos que eles também tanto sonharam em ter”, comentou

Para isso, porém, é necessário estimular a paternidade nos homens assim como a maternidade é estimulada nas mulheres. “Esse homem também consegue desenvolver o cuidado, o afeto, o carinho e a proteção. As crianças também sinalizam o quanto eles são bons, afetuosos e esses pais acabam recebendo mais carinho. O vínculo entre pai e filho aumenta e pode gerar essa confiabilidade e sensação de realização no homem”, finalizou.



Edição anterior (2828):
sexta-feira, 05 de agosto de 2022
Ed. 2828:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2828): sexta-feira, 05 de agosto de 2022

Ed.2828:

Compartilhe:

Voltar: